EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Suécia está a investigar eventual sabotagem num cabo que a liga à Estónia

Imagem da fuga detetada no gasoduto "Nord Stream 2", em setembro de 2022
Imagem da fuga detetada no gasoduto "Nord Stream 2", em setembro de 2022 Direitos de autor Guarda Costeira da Suécia via AP, Arquivo
Direitos de autor Guarda Costeira da Suécia via AP, Arquivo
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os danos detetados terão sido causados na mesma altura em que um gasoduto da Finlândia também foi danificado. A Rússia está entre os suspeitos devido à adesão de finlandeses e suecos à NATO

PUBLICIDADE

A Suécia anunciou esta terça-feira estar a investigar os danos num cabo de telecomunicações que liga aquele país escandinavo à Estónia, pelo fundo do Mar Báltico.

O ministro da Defesa Civil, Carl-Oskar Bohlin, acredita que o cabo sueco tenha sido danificado na mesma altura que o gasoduto entre a Estónia e a Finlândia, no início do mês.

"Não se trata de uma rutura total do cabo. Há um dano parcial, mas não podemos ainda avaliar o que causou o dano", afirmou Bohlin.

O Ministério da Economia da Estónia especificou que o problema detetado no cabo, que é propriedade sueca, localiza-se em território estónio, cerca de 50 quilómetros ao largo da ilha de Hiiumaa, no norte do país. Os serviços afetados foram repostos alguns dias depois.

O governo sueco está a colaborar com os homólogos da Finlândia e da Estónia para apurar as causas dos danos detetados em ambas as ligações, que aparentam ser resultado de sabotagem.

Os finlandeses chegaram mesmo a avançar com suspeitas de uma sabotagem russa, como resposta à adesão do país à NATO. Putin refutou a acusação.

A Suécia também está à beira de entrar na Aliança Atlântica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos

Civis da Estónia treinam guerra de trincheiras com soldados franceses da NATO

Rússia coloca primeira-ministra da Estónia na lista dos "procurados"