EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Futuro florescente na Bósnia-Herzegovina? Mina de prata gera controversa em Vareš

Futuro florescente na Bósnia-Herzegovina? Mina de prata gera controversa em Vareš
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Hans von der Brelie
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os metais estratégicos são importantes para a União Europeia, que está a tentar reduzir a sua dependência de matérias-primas chinesas e russas. Mas um projeto emblemático na Bósnia-Herzegovina está a causar insatisfação entre os ambientalistas.

PUBLICIDADE

Dentro de algumas semanas, a mina subterrânea polimetálica de Vareš, na Bósnia-Herzegovina, deverá começar a funcionar em grande escala. Prata, ouro, chumbo, zinco, cobre, antimónio e outros metais poderão então ser extraídos das rochas hospedeiras. Estes metais estratégicos são importantes para a União Europeia, que tenta reduzir a sua dependência das matérias-primas chinesas ou russas. Mas há um problema que se avizinha: os ativistas ecológicos apresentaram uma queixa na sede do Conselho da Europa, em Berna, alegando que a biodiversidade está ameaçada e que a água será poluída pelas atividades mineiras subterrâneas. A Euronews enviou o repórter Hans von der Brelie para as montanhas da Bósnia para ver o que se está a passar.

O maior projeto mineiro da atualidade na Bósnia-Herzegovina

Para entrar na mina de prata de Vareš, o repórter da Euronews precisa de um aparelho de respiração de emergência e uma formação especial em segurança. Jimmy, da Nova Zelândia, dá uma ajuda. Tem 26 anos de experiência profissional: Austrália, Mongólia, Burkina Faso... e agora está na Bósnia-Herzegovina, a trabalhar para a Adriatic Metals, uma empresa mineira sediada no Reino Unido: "Os minerais aqui são bons para o país e haverá benefícios para a comunidade (local)", diz Jimmy.

Cerca de 800.000 toneladas de minerais serão extraídas do subsolo todos os anos. É o maior projeto mineiro da atualidade na Bósnia-Herzegovina, representando 25% do investimento direto estrangeiro do país.

Hans tem um encontro marcado com Marko Matić . A sua equipa de geólogos é conhecida como "caçadores de tesouros da empresa". Marko mostra o laboratório: "Esta é a rocha hospedeira da mineralização do depósito de Rupice em Vareš. Contém os sulfitos que incluem prata, ouro, cobre, zinco, chumbo e antimónio... com graus muito elevados de cada elemento."

O diretor de operações Matthew Hine, da Austrália, está orgulhoso da sua nova e reluzente fábrica de processamento, onde os concentrados de prata, chumbo e zinco vão ser pré-processados. 

A mina é um investimento de 200 milhões de euros. Quando a operação estiver a funcionar, a mina contribuirá com mais de dois por cento para o PIB da Bósnia. O arranque está previsto para o início de 2024.

A mina bósnia enquadra-se perfeitamente nos esforços da União Europeia para garantir matérias-primas estratégicas. A Bósnia-Herzegovina quer tornar-se membro da União Europeia, as duas partes estão a tentar acelerar a cooperação e a trabalhar para estreitar os laços económicos e melhorar as ligações de transportes.

Protestos pela defesa do ambiente

Na cidade vizinha de Kakanj, os protestos estão a aumentar. Hajrija Čobo é professora de inglês e estudou direito ambiental. Acusa a empresa mineira de fazer batota com os estudos ambientais e de ter mandatado um instituto sediado no Reino Unido que, alegadamente, não tem licença para trabalhar na Bósnia-Herzegovina. "Este segundo estudo é praticamente ilegal neste país. Não foi aprovado por nenhuma autoridade do país", afirma, enquanto conduz o seu carro, subindo a colina em direção aos vales das montanhas.

Hajrija apresentou uma queixa no Conselho da Europa, na sede da Convenção de Berna. O gabinete supervisiona a proteção da biodiversidade. Há escavações em curso fora da área de concessão, diz Čobo. "Estas são obras no leito do rio, que é a zona de proteção (da água) número 2, onde este tipo de obras é estritamente proibido. E eles continuam a fazê-las. Tudo o que fazem chega aos meus canos. É suposto eu beber isso?".

"O meu governo está a pôr em perigo a vida de 40 000 pessoas, pelo menos na minha cidade, em nome do lucro de uma empresa britânica e do emprego de algumas centenas de pessoas. Sabem como é que se chama isto? É neocolonialismo", diz Čobo.

O Conselho da Europa já reagiu. O gabinete da Convenção de Berna pediu ao governo da Bósnia-Herzegovina para suspender as atividades mineiras até que as queixas sejam resolvidas. O governo é convidado a apresentar um relatório oficial à Convenção de Berna, a fim de esclarecer se a mina está a pôr em perigo a biodiversidade.

Adriatic Metals rejeita as acusações

A diretora de sustentabilidade da Adriatic Metals, Vildana Mahmutović, rejeita todas as alegações: "Há uma distância muito grande das nossas atividades mineiras subterrâneas. Todos os estudos têm a certeza de que existe uma barreira de água entre elas, de modo a que as nossas águas subterrâneas não afetem o abastecimento de água no lado oposto da colina."

Especificamente sobre a questão dos metais pesados, Mahmutović diz que os metais pesados estão presentes na água, mas abaixo dos valores-limite. _" Estamos a monitorizá-la há três anos, antes de iniciarmos as nossas atividades. A presença de metais pesados nesta água é, na verdade, a natureza de Vareš (subterrânea) em si mesma"._Mahmutović sublinha que as rochas naturais da região são conhecidas, desde o tempo dos romanos, por serem ricas em minérios de todos os tipos.

O otimismo voltou à cidade

Embora Vareš seja uma cidade pequena e agradável, 22.000 pessoas já viveram ali. Hoje os números caíram para 8.000. A desintegração da Jugoslávia, a guerra civil, os combates, os massacres, as deslocações, a fuga e o declínio económico deixaram vestígios: edifícios abandonados, telhados destruídos, estradas ladeadas por casas vazias.

A cidade vive um período de crescimento. Graças à nova mina, o orçamento do município duplicou. Finalmente, há dinheiro disponível para infraestruturas necessárias: pontes, gestão de resíduos, isolamento térmico e restauração de edifícios.

O presidente da Câmara de Vareš, Zdravko Marošević, dá um exemplo: “Tínhamos um jardim de infância com 18 alunos no ano passado e mal sobrevivia economicamente. Há alguns meses, já tinham quatro turmas e 60 crianças, mas o número de inscrições poderá subir até às 100 crianças no próximo ano"

"Esta era simplesmente uma cidade morta e agora é uma cidade vibrante com empregos, trabalho e ordem”, acrecenta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de toneladas de lixo acumulam-se no rio Drina na Bósnia

Mina de sal-gema abandonada no nordeste do Brasil colapsa parcialmente

Líder da República Sérvia volta a ameaçar saída da Bósnia-Herzegovina