Tripulação apaga incêndio em petroleiro atingido por míssil Houthi ao largo do Iémen

Vista do petroleiro Marlin Luanda em chamas após um ataque, no Golfo de Aden
Vista do petroleiro Marlin Luanda em chamas após um ataque, no Golfo de Aden Direitos de autor Indian Navy via AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O incidente ocorreu depois das forças norte-americanas terem atingido posições rebeldes em novo ataque aéreo.

PUBLICIDADE

A tripulação de um navio-tanque com bandeira das Ilhas Marshall, extinguiu um incêndio provocado por um míssil lançado pelos rebeldes Houthi no sábado, segundo as autoridades.

O ataque ao Marlin Luanda veio complicar ainda mais a crise no Mar Vermelho causada pelos ataques dos rebeldes apoiados pelo Irão à guerra de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza. O petroleiro transportava nafta de produção russa, o que levou Moscovo a envolver-se ainda mais num conflito que, até agora, atribuía aos EUA.

Na madrugada de sábado, as forças norte-americanas realizaram um ataque contra um míssil anti-navio Houthi que estava apontado para o Mar Vermelho e preparado para ser lançado, informou o Comando Central das Forças Armadas dos EUA. O ataque ocorreu depois de o USS Carney, um contratorpedeiro da classe Arleigh Burke, ter sido obrigado a abater um míssil Houthi que o tinha como alvo.

O Marlin Luanda ardeu durante horas no Golfo de Aden até ser extinto no sábado, disse a Trafigura, uma empresa comercial com sede em Singapura. A sua tripulação, composta por 25 indianos e dois cingaleses, ainda estava a tentar combater o fogo provocado pelo ataque do míssil. Ninguém ficou ferido com a explosão, acrescentou.

A view of the oil tanker Marlin Luanda on fire after an attack, in the Gulf of Aden
A view of the oil tanker Marlin Luanda on fire after an attack, in the Gulf of AdenIndian Navy via AP

A marinha indiana afirmou que o seu contratorpedeiro de mísseis guiados INS Visakhapatnam estava a ajudar a tripulação do Marlin Luanda a combater o incêndio. A marinha publicou imagens que mostram o incêndio ainda em curso no sábado - provavelmente alimentado pela nafta a bordo.

O navio, gerido por uma empresa britânica, transportava nafta russa com destino a Singapura, segundo a empresa. A empresa descreveu o petróleo inflamável como tendo sido comprado abaixo dos limites de preço estabelecidos pelas sanções do G7 impostas à Rússia devido à guerra em curso na Ucrânia. Não ficou claro qual o impacto ambiental causado pelo ataque.

O porta-voz militar dos Houthi, Brigadeiro-General Yahya Saree, reivindicou o ataque ao Marlin Luanda numa declaração pré-gravada na sexta-feira, descrevendo-o como um "navio petrolífero britânico". Insistiu que tais ataques iriam continuar.

Desde novembro, os rebeldes têm atacado repetidamente navios no Mar Vermelho devido à ofensiva de Israel em Gaza contra o Hamas. Mas têm frequentemente visado navios com ligações ténues ou inexistentes a Israel, pondo em perigo a navegação numa rota fundamental para o comércio global entre a Ásia, o Médio Oriente e a Europa.

Desde o início da campanha de ataques aéreos, os rebeldes dizem agora que também vão atacar navios americanos e britânicos.

A China, que depende do comércio marítimo através da zona, apelou à calma. Os EUA tentaram levar a China a exercer pressão sobre o Irão, uma vez que Pequim continua a ser um dos principais compradores do petróleo iraniano sancionado pelo Ocidente.

A Rússia, no entanto, condenou até agora os EUA e o Reino Unido por levarem a cabo os seus ataques contra os Houthis, ao mesmo tempo que se reuniu com o grupo rebelde em Moscovo nos últimos dias.

Entretanto, no sábado, as autoridades relataram um outro incidente, em que uma embarcação no Mar Arábico relatou ter visto homens armados com espingardas de assalto e uma granada de propulsão de foguetes num barco que passou próximo. Todas as pessoas a bordo foram consideradas seguras.

A empresa de segurança privada Ambrey descreveu o incidente como envolvendo um pequeno barco "ao estilo da Somália" auxiliado por uma nave-mãe maior. Com a escalada dos ataques dos Houthi, tem havido também um aumento das suspeitas de atividade dos piratas somalis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os Houthis são o modelo dos atores não estatais do século XXI

Hamas denuncia invasão de hospital e detenção de equipas médicas em Gaza

EUA avisam que não vão parar ataques contra militantes apoiados pelo Irão no Iraque e na Síria