EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Milhares de húngaros manifestam-se para exigir reformas na proteção das crianças

Protesto húngaro contra a proteção das crianças
Protesto húngaro contra a proteção das crianças Direitos de autor EBU
Direitos de autor EBU
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os "influencers" mais populares da Hungria lideraram uma multidão de mais de 10 000 pessoas em Budapeste para exigir mudanças políticas depois da demissão da presidente húngara devido ao perdão que concedeu num caso de abuso sexual de crianças.

PUBLICIDADE

Algumas das personalidades online ("influencers") mais conhecidas da Hungria lideraram uma multidão de pelo menos 10.000 manifestantes em Budapeste, na sexta-feira, para exigir uma mudança na cultura política do país. O protesto surgiu em resposta à recente demissão da presidente conservadora Katalin Novak por causa de um perdão concedido num caso de abuso sexual de crianças.

Das redes sociais para as ruas

Os manifestantes encheram a Praça dos Heróis da capital húngara e apelaram a uma verdadeira reforma do sistema de proteção das crianças e a uma transformação do sistema de governação do primeiro-ministro Viktor Orbán.

"Não sei exatamente o que vamos conseguir no final do dia", disse Zsolt Osváth, um popular criador de conteúdos online que ajudou a organizar a manifestação. "Mas é certo que não vamos ficar em silêncio por mais tempo e que tivemos de sair da zona de conforto dos nossos ecrãs de computador."

A expressão de descontentamento popular de sexta-feira enraizou-se num segmento da sociedade que, muitas vezes, não está envolvido na política. Os organizadores da manifestação incluíram quase uma dúzia de YouTubers populares e outros criadores de conteúdos que escreveram que estavam "perturbados" com as revelações e que protestavam por uma "sociedade saudável".

Os "influencers", cada um deles com centenas de milhares de subscritores no YouTube, exortaram os seus compatriotas húngaros a sair da "apatia" política, mas pediram aos partidos políticos da oposição que não exibissem insígnias partidárias no protesto.

Bulcsú Hunyadi, analista do grupo de reflexão Capital Político, sediado em Budapeste, considera que o facto de os influenciadores assumirem a liderança deu ao evento maior ressonância do que os apelos à ação da fragmentada oposição política húngara.

"As pessoas que estão a organizar esta manifestação atingem determinados grupos da sociedade em grandes proporções. Esta manifestação pode chegar a um grupo diferente dos organizados pelos partidos políticos tradicionais e, presumivelmente, pode chegar a um público mais vasto", disse Hunyadi.

Gábor Balk, um manifestante e pai de três filhos, disse que não está convencido de que o escândalo vá marcar um ponto de viragem na política húngara.

"Não espero nada deste Governo. Eles não vão mudar nada", disse Balk.

Perdão presidencial por abuso sexual de menores

A Presidente Katalin Novák, uma aliada do primeiro-ministro conservador Victor Orbán, demitiu-se na semana passada no meio de uma polémica. Foi revelado que ela concedeu um perdão presidencial a um homem que tinha sido preso por encobrir uma série de abusos sexuais de crianças por parte do diretor de um orfanato estatal.

O perdão chocou a sociedade húngara e abriu fissuras no seio do partido Fidesz de Orbán, que governa o país com maioria constitucional há quase 14 anos.

Também implicada no escândalo está a antiga ministra da Justiça, Judit Varga, outra figura-chave do Fidesz que renunciou ao seu lugar no Parlamento por ter apoiado o perdão.

Esperava-se que Varga liderasse a lista de candidatos do Fidesz nas eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam em junho. A perda de duas das principais mulheres políticas do governo húngaro, dominado por homens, foi um golpe para Orbán, numa altura em que o seu partido se prepara para as eleições para a União Europeia.

O partido de Victor Orbán abalado

Mesmo com as demissões de Novák e Varga, o escândalo do perdão espalhou-se para implicar outros membros do círculo de Orbán e provocou indignação por causa das perguntas sem resposta sobre o motivo do perdão.

Zoltán Balog, um dos antigos ministros de Orbán e chefe da igreja reformada da Hungria, demitiu-se do seu cargo na sexta-feira, depois de ter admitido ter aconselhado Novák a conceder o perdão.

O ex-marido de Varga, Péter Magyar, fez acusações públicas de corrupção e intimidação contra o governo de Orbán numa entrevista ao popular canal do YouTube Partizán, que obteve mais de 2 milhões de visualizações num país com menos de 10 milhões de habitantes.

Hunyadi, o analista, disse que esse protesto público entre um amplo espetro da sociedade húngara poderia mobilizar mais oposição ao poder de Orbán.

"O que funciona agora contra a apatia é o facto de as pessoas sentirem que este é um assunto sério que pode ter consequências - as duas demissões", disse Hunyadi. "Agora sentem que há uma razão para fazer alguma coisa, que podem conseguir alguma coisa se agirem."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissário Sinkevicius alerta contra ambição imperalista da Rússia

Presidente da Hungria demite-se devido a escândalo de abuso sexual de menores

Comissão Europeia abre novo procedimento de infração contra Hungria