31 000 soldados ucranianos mortos desde o início da invasão russa

Volodymyr Zelenskyy
Volodymyr Zelenskyy Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Zelenskyy sublinha que o número é muito inferior às estimativas de Vladimir Putin.

PUBLICIDADE

É a primeira vez que Kiev confirma o número das suas perdas desde que Moscovo iniciou a invasão em grande escala em 24 de fevereiro de 2022. Neste domingo, o presidente ucraniano disse que 31 mil soldados foram mortos em combate.

"31.000 militares ucranianos foram mortos nesta guerra. Não foram 300.000, nem 150.000, nem o que quer que Putin e o seu círculo enganador tenham andado a mentir. Mas, apesar disso, cada uma destas perdas é um grande sacrifício para nós", disse Volodymyr Zelenskyy no fórum "Ucrânia. Ano 2024", em Kiev.

O líder ucraniano disse que não iria revelar o número de soldados feridos ou desaparecidos.

Também neste domingo, o ministro da defesa ucraniano afirmou que o seu país estava a "perder território" na guerra com a Rússia porque "50%" das armas prometidas pelos parceiros ocidentais não chegaram a tempo a Kiev.

Rustem Umerov disse que as suas tropas tinham construído novas fortificações e "milhares de fortalezas". Mas afirmou que os atrasos no fornecimento de equipamento ocidental estavam a provocar retrocessos e mortes no campo de batalha.

O ministro sublinhou que apesar destas desvantagens, a Ucrânia reconquistou o Mar Negro, utilizando drones para afundar navios de guerra russos. A Ucrânia também reconquistou território no nordeste e no sul do país, referindo-se à libertação, em 2022, da região de Kharkiv e da cidade de Kherson.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia

Zelenskyy diz que 2024 vai ser "ano decisivo" para a Ucrânia. Macron reúne líderes europeus em Paris

Finlândia assina pacto de segurança de 10 anos com a Ucrânia e envia ajuda no valor de 188 milhões