Vice-chanceler alemão: "Não queríamos ver o que Putin anda a fazer"

Robert Habeck, Vice-Chanceler alemão e Ministro da Economia e do Clima
Robert Habeck, Vice-Chanceler alemão e Ministro da Economia e do Clima Direitos de autor Stroud, Olivia/
De  Liv Stroud
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O vice-chanceler alemão e ministro da Economia e do Clima, Robert Habeck, alertou para a necessidade de a Europa aumentar as despesas com a defesa durante esta entrevista a "Global Conversation".

PUBLICIDADE

Liv Stroud, correspondente da Euronews, falou com o vice-chanceler alemão e Ministro da Economia e do Clima, Robert Habeck, sobre o aumento das despesas militares na Europa, tendo em conta a ameaça do presidente russo Vladimir Putin à democracia europeia.

"Ou não vimos ou não quisemos ver o que Putin está a fazer", disse Habeck à Euronews.

"Prefiro pensar em gastar o dinheiro melhor na educação, na investigação, na formação contínua, na proteção do clima ou nos critérios de sustentabilidade. Mas temos de gastar dinheiro na defesa. O tempo em que não o queremos fazer já passou", acrescentou o vice-chanceler. O número dois de Olaf Scholz também alertou para o facto de se continuar a depender dos EUA para garantir a segurança.

Precisamos de aumentar os gastos na defesa para nos podermos proteger.
Robert Habeck
Vice-chanceler da Alemanha

A Alemanha, a economia mais forte da Europa, foi particularmente afetada pelas consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia, após anos de forte dependência energética.

O político dos Verdes está a lidar com o equilíbrio entre as políticas económica e climática, a última das quais se tem revelado um tema polarizador para a Alemanha, com muitos alemães a oporem-se ou a apoiarem-na fortemente. Berlim tem sido abalada por protestos nos últimos anos, incluindo as "Sextas-feiras para o Futuro", organizadas por estudantes pró-ambientais, a controversa "Última Geração", que paralisou o trânsito em todo o país e desfigurou a emblemática Porta de Brandemburgo, e os agricultores, que conduziram os seus tratores até ao centro de Berlim para denunciar o retrocesso dos subsídios ao gasóleo.

O apoio à chamada "coligação do semáforo" tem vindo a diminuir com o recente aumento do apoio ao partido de extrema-direita AfD. Habeck também falou sobre as próximas eleições europeias, sobre como se preparar melhor para as alterações climáticas na Europa e sobre como a economia alemã deve recuperar após uma inflação elevada.

A versão integral da Conversa Global com Robert Habeck é transmitida na terça-feira, 26 de março, às 21h45.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Charles Michel: "é um erro tentar opor o nível nacional ao nível europeu"

Mais de 1.000 tratores invadiram Berlim: agricultores protestaram pelos cortes no sector agrícola

Zelenskyy promulga lei controversa para mobilizar mais militares para a guerra