EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos

Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos
Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos Direitos de autor Hendrik Osula/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Hendrik Osula/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente da Estónia vai convocar um conselho de defesa, esta quarta-feira, para discutir a sabotagem russa. Funcionários estónios e peritos em segurança apelaram, ainda, a uma abordagem mais pró-ativa da UE para combater estes ataques.

PUBLICIDADE

As autoridades estónias estão a intensificar a luta contra as operações híbridas não militares da Rússia, incluindo os ciberataques, a interferência eleitoral e a desinformação, bem como os ataques contra os opositores do presidente Vladimir Putin.

De acordo com a agências internacionais, o presidente da Estónia, Alar Karis, vai convocar um conselho de defesa, esta quarta-feira, para discutir a sabotagem russa e a próxima cimeira de paz na Suiça.

Também o ministro da Defesa da Estónia, Hanno Pevkur, reforçou a importância do país báltico estar preparado para qualquer tipo de ataque.

“Todos nós compreendemos que estes ataques híbridos continuam a ser muito graves. Também temos de estar preparados para eles. Não importa se é um ataque cibernético, se é outro tipo de ataque, estamos preparados para isso e estamos a responder a isso. E a nossa mensagem sempre foi clara: neste território, na Estónia e em todos os aliados, estamos a controlar a situação e não permitimos que ninguém perturbe o nosso comportamento normal e a nossa sociedade normal”, disse Pevkur, citado pelas agências internacionias.

Várias pessoas detidas na Estónia acusadas de espionagem

Este ano, na Estónia, um professor universitário foi detido sob a acusação de espionagem a favor de Moscovo. Também outras 13 pessoas foram detidas após ataques alegadamente organizados pelos serviços secretos militares russos que operam sob disfarce diplomático, tendo voos entre a Finlândia e Tartu, a segunda maior cidade da Estónia, sido interrompidos devido à interferência russa nos sinais GPS.

Em outubro, um gasoduto e cabos de telecomunicações no mar Báltico ficaram danificados depois de um navio chinês ter arrastado a sua âncora durante mais de 185 quilómetros, num incidente que ainda está a ser investigado. O mesmo navio atracou mais tarde no porto russo de Arkhangelsk.

Estónia persegue "de forma agressiva" atividades de espionagem

A Estónia tem a reputação de perseguir, "de forma agressiva", as atividades de espionagem e de as divulgar, apreendendo sistematicamente mais agentes russos per capita no país, que conta com 1,3 milhões de habitantes, do que outras nações europeias.

O antigo presidente da Estónia, Toomas Hendrik Ilves, que esteve no poder entre 2006 e 2016, disse à AP que alguns países não agem porque esperam voltar a fazer negócios com a Rússia.

Embora a Rússia seja acusada de ataques na Europa há décadas, os altos funcionários estónios e os peritos em segurança indicaram, segundo as agências internacionais, que não existe um mecanismo coletivo para lidar com eles. Para além disto, apelaram a uma abordagem mais pró-ativa por parte da União Europeia, de modo a combater estes ataques.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rebenta na Áustria o maior escândalo de espionagem das últimas décadas

Espiões como nós: Como é que a rede de espionagem russa atua na Europa?

Estónia e Rússia trocam espiões capturados e perdoados