EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Vincenzo Genovese
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews falou com Nicola Procaccini, co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus.

Euronews: "Qual é a visão da Europa dos Conservadores e Reformistas Europeus ? É correto chamar-lhes eurocépticos?”

Nicola Procaccini: "Não, é muito incorreto. Somos aqueles que querem voltar à ideia original da União Europeia, ou seja, uma aliança de nações que faz algumas coisas em conjunto, as coisas importantes, as coisas que os Estados-nação sozinhos não seriam capazes de fazer da melhor forma. E lutamos contra aqueles que querem mudar a União Europeia num sentido federalista, que não é o modelo original da União Europeia. Quando foi criada, em 1957, com o Tratado de Roma, a Comunidade Europeia foi concebida como uma comunidade de Estados que não tinha de tratar de tudo, mas de algumas coisas. Em vez disso, infelizmente, ao longo do tempo, houve uma tentativa de retirar competências às nações, colocando-as sob a égide da União Europeia. Dessa forma, na nossa opinião, tentou-se uniformizar situações que não deviam ser uniformizadas. Paradoxalmente, esquecemo-nos de construir a Europa onde ela era necessária".

Euronews: "Muitos apoiantes de outros partidos afirmam que o direito de veto bloqueia a União Europeia. Em vez disso, defendem-no, se bem entendi. Porquê?"

Nicola Procaccini: "Defendemos o facto de a Europa continuar a ser uma aliança de nações e não um super-Estado federalista. No momento em que se retira a possibilidade de um governo exercer um direito de veto que comprometa o seu interesse nacional, é óbvio que se está a caminhar para um super-Estado federalista. Mas deixem-me dizer-vos uma coisa: isso nunca aconteceu até hoje. Nunca aconteceu que houvesse um veto que impossibilitasse a emissão de um regulamento, de uma ideia, de uma diretiva. O que é que isso produziu? Uma negociação. Produziu negociações que duraram por vezes dias, por vezes semanas. Porque é assim que deve ser: a União Europeia não tem de tratar de tudo, mas pode tratar de algumas coisas importantes. É por isso que dividir a Europa em nações de primeira divisão, segunda divisão, terceira divisão e quarta divisão vai contra a nossa ideia de Europa como uma aliança de nações que faz algumas coisas, mas coisas importantes".

Euronews: "Mas a Declaração Schuman de 1950 menciona expressamente a Federação Europeia".

Nicola Procaccini: "Não".

Euronews: "Sim".

Nicola Procaccini: "A União Europeia nasceu como uma confederação e não como uma federação de nações".

Euronews: "Falo da Declaração Schuman".

Nicola Procaccini: "Não, isso é o Manifesto de Ventotene, que é outra coisa".

Euronews: "É a Declaração Schuman de 1950: 'A fusão da produção de carvão e aço será a primeira etapa da Federação Europeia'.

Nicola Procaccini: "É outro conceito que, se tivéssemos a oportunidade de aprofundar, poderia mostrar-vos. Quero dizer uma coisa que é óbvia: a União Europeia não nasceu como uma federação, mas nasceu como uma confederação e nasceu precisamente do carvão, do aço, ou seja, de coisas como o fornecimento de matérias-primas como a energia, o fornecimento de energia que é um dos domínios em que é evidente que, se os Estados se juntarem, conseguem obter um melhor desempenho em termos de qualidade das despesas, bem como da qualidade da fonte de energia, do que se estivessem sozinhos. Mas podemos ter todos os debates que quiserem, mas não há maneira nenhuma de alguém poder argumentar que a União Europeia nasceu como CECA e como Tratado de Roma e, portanto, como Comunidade Europeia, como Estado federalista, como Estados Unidos da Europa, isso é algo totalmente irreal".

Euronews: "Não, estava apenas a mencionar, de forma precisa, a Declaração Schuman".

Nicola Procaccini: "Podia mencionar De Gaulle e tantos outros pais da União Europeia que foram muito claros a esse respeito".

Euronews: "O vosso grupo está a crescer fortemente nas sondagens. Não têm um Spitzenkandidat, um candidato líder. Por isso, a pergunta é obrigatória: quem é que gostaria que liderasse a próxima Comissão Europeia?"

Nicola Procaccini: "Mas porque é que não temos um Spitzenkandidat? Pela razão que disse antes. Porque é que não existe um Spitzenkandidat nos tratados europeus que estabelecem a União Europeia? Porque o Presidente da Comissão Europeia é escolhido pelos governos, não pelos partidos, e nós afirmamos isso. Afirmamos que são os governos os únicos legítimos para escolher o chefe da Comissão Europeia, não os partidos. Esta é a principal razão pela qual qualquer outro candidato não é suficientemente bom para nós, porque não é o candidato do nosso grupo parlamentar. Mas também porque o conceito é de facto errado, porque continuamos a querer retirar às nações e aos governos legitimamente eleitos pelos cidadãos as competências que estão preto no branco nos tratados fundadores da União Europeia".

Já sabemos que a próxima Comissão Europeia será de centro-direita, porque os comissários são indicados pelos governos, não são indicados pelas eleições, e os governos são de centro-direita.
Nicola Procaccini, co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus

Euronews: "Na Europa de hoje, os partidos de direita radical são frequentemente acusados de não terem repudiado totalmente as suas ligações com as ditaduras do século XX, por exemplo, em Espanha, com o franquismo. No estrangeiro, por exemplo, a Fratelli d'Italia, o seu partido, é frequentemente descrito na imprensa estrangeira como um partido pós-fascista. Qual é a sua resposta?"

Nicola Procaccini: "Antes pós-fascista do que neo-fascista, ou outros epítetos. A verdade é que foi votada uma resolução no Parlamento Europeu que condena firmemente todos os totalitarismos do século XX. Os Fratelli d'Italia, o Vox e, de facto, todos os partidos de direita votaram a favor. Pelo contrário, a esquerda votou contra. Nomeadamente o Partido Democrático Italiano, evidentemente para defender o comunismo. Condenamo-los a todos.

Euronews: "Ursula von der Leyen: Nestes cinco anos, do que é que gostou e do que é que não gostou?"

Nicola Procaccini: "Gostei de muito pouco. Mas também porque se tratava de uma Comissão Europeia quase essencialmente de esquerda, de tal forma que Frans Timmermans tinha ainda mais poder do que Ursula von der Leyen, ele pôde implementar o principal programa de governo da Comissão, o Pacto Ecológico. Felizmente, isso é algo que já não será possível, porque, independentemente do resultado das eleições europeias, já sabemos que a próxima Comissão Europeia será de centro-direita, porque os comissários são indicados pelos governos, não são indicados pelas eleições, e os governos são de centro-direita".

Euronews: "Mas, como conservadores, estariam dispostos a apoiar von der Leyen, ou outro candidato do PPE?"

Nicola Procaccini: "Isso é algo que temos de ver com base no equilíbrio de poderes, porque eles podem ter de apoiar um dos nossos candidatos. Portanto, vamos ver".

Euronews: Se tivesse de escolher um objetivo do partido Fratelli d'Italia e do Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus para a próxima legislatura, qual escolheria?"

Nicola Procaccini: "Certamente acabar com a imigração ilegal e voltar a colocar o ser humano no centro da natureza".

Euronews: "O Governo italiano, liderado por um partido conservador, apoiou e aprovou o Pacto Migratório de Asilo, a reforma da política europeia de migração. O governo polaco, quando era liderado por um partido conservador, e mesmo agora, opõe-se fortemente a esse pacto. A redistribuição dos requerentes de asilo é uma questão polémica para os conservadores?"

Nicola Procaccini: "O atual governo polaco votou contra".

Euronews: "E o anterior também".

Nicola Procaccini: "Trata-se de uma questão fundamental, porque o atual governo é do PPE e é apoiado pelos socialistas. Votou contra, os seus representantes parlamentares votaram contra. Pensamos que este pacto ainda não é a forma correta de lidar com a imigração ilegal, com a imigração em geral. Mas, objetivamente, é um primeiro passo na direção certa. Foi por isso que votámos a favor, porque objetivamente vai na direção que Giorgia Meloni tem vindo a defender há anos, mas que era considerada uma perigosa extremista fascista que queria afogar as pessoas. Qual é a solução? A solução é parar as partidas, porque quando os migrantes chegam a solo europeu já é demasiado tarde. Então, nessa altura, até o discurso da colocação e da distribuição é um discurso que não deve ser colocado de todo. Porque se, por outro lado, conseguirmos estabelecer a montante quem tem direito e quem não tem direito a asilo, nesse momento só deixamos entrar aqueles que têm direito e, nesse momento, estamos a falar de 15% do total da imigração ilegal. Assim, conseguimos acabar com o negócio mais odioso que existe, o dos traficantes. E, ao mesmo tempo, conseguimos governar um fenómeno que também precisa de ser governado, porque a imigração legal é algo de que todas as nações precisam, mas deve ser limitada em quantidade e, se possível, deve também ser escolhida. Deve também ser formada de um ponto de vista profissional. Isto serve a nação de acolhimento e serve também o migrante, que, nessa altura, não é forçado a ficar à margem da nossa sociedade ou a tornar-se um trabalhador do crime organizado, mas pode, em vez disso, encontrar um lugar nas nossas sociedades que seja digno para ele também".

Euronews: "Depois de 2035, os carros com motores de combustão na Europa serão apenas peças de museu ou ainda tem esperança de que isso mude?"

Nicola Procaccini: "Ainda há esperança, se prevalecer o que esperamos, que é o conceito de neutralidade tecnológica. O exemplo do motor térmico de combustão e do motor elétrico encaixa bem. Através dos biocombustíveis, que têm emissões zero como saldo final, é possível fazer sobreviver o motor térmico de combustão sem ter necessariamente de nos rendermos a uma tecnologia, a do motor elétrico, sobre a qual não temos soberania em termos de cadeia de produção. O que significa, então, neutralidade tecnológica? Significa ter, partilhar um objetivo, mas deixar a liberdade às nações de escolherem a melhor tecnologia de acordo com as suas especificidades. Este é um conceito que nos é caro e que apoiaremos fortemente nos próximos anos".

Euronews: "Mas no regulamento aprovado, os biocombustíveis não estão lá..."

Nicola Procaccini: "Não, não estão lá".

Euronews "Estão a tentar obter uma derrogação?"

Nicola Procaccini: "Absolutamente sim".

Euronews: "Ainda em relação à neutralidade: os conservadores e reformistas opuseram-se a quase todas as medidas do Pacto Ecológico Europeu. Partilham o objetivo da neutralidade climática até 2050?"

Nicola Procaccini: "Partilhamos o objetivo de ter o menor impacto possível no ambiente e na natureza. Isto tem de ser feito com bom senso, com equilíbrio. Estes são dois conceitos, bom senso e equilíbrio, que foram totalmente banidos pela política europeia nos últimos anos, sacrificados no altar de um furor ideológico perverso que fez com que as emissões de CO2 aumentassem, porque aumentaram em 2023, apesar de terem entrado em colapso na União Europeia, e ao preço de uma devastação da nossa competitividade e de uma devastação do ambiente e da natureza. Porque aqueles que se apercebem, aqueles que, de um modo geral, detêm a transição ecológica neste momento são os chineses. Os chineses estão a beneficiar competitivamente das escolhas europeias e, ao mesmo tempo, não se preocupam minimamente com as normas ambientais que nos interessam. Porque, nesse caso, as baterias e os painéis fotovoltaicos são produzidos em centrais eléctricas alimentadas a carvão, sem que se importem com isso".

Euronews: "É demasiado ambicioso aspirar à neutralidade climática até 2050?"

Nicola Procaccini: "Penso que é um objetivo ao nosso alcance, mas tem de ser feito, repito, com bom senso. O caso dos biocombustíveis é um exemplo de como o bom senso é posto de lado e nos faz pensar mal, porque se uma tecnologia ambientalmente neutra é proibida, não é considerada pelas instituições. Isto faz-nos pensar que existem interesses económicos".

Euronews: "A Itália é o país que mais beneficiou em termos numéricos do Next GenerationEU, a única emissão de dívida comum até à data na história da União Europeia. Seria a favor de novas emissões futuras de dívida comum?"

Nicola Procaccini: "Permitam-me que diga que a Itália é a maior beneficiária, infelizmente é a maior beneficiária porque, de acordo com o algoritmo que foi estabelecido, sendo a que saiu em pior estado da pandemia, consequentemente foi a que teve mais recursos. Depois, os chamados Eurobonds são uma invenção, uma iniciativa do centro-direita italiano. Giulio Tremonti, então ministro do governo Berlusconi, agora membro dos Fratelli d'Italia, foi o primeiro a falar na Europa sobre uma dívida comum: por isso, conhecemos essa questão como a palma da mão".

Euronews: "O partido Fidesz de Viktor Orbán está próximo das suas posições em muitas questões, mas não em relação à guerra na Ucrânia. Na sua opinião, esse partido poderá juntar-se aos Conservadores e Reformistas Europeus após as eleições?"

Nicola Procaccini: "Deixe-me dizer que o governo de Viktor Orbán votou com todos os outros 26 Estados europeus em todos os pacotes de ajuda ao povo ucraniano, tanto económicos como militares, do primeiro ao último".

Euronews: "Mas reduzindo-os..."

Nicola Procaccini: "Sim , porque estava a tentar fazer valer o seu próprio direito: o de não ser discriminado de um ponto de vista político, como aconteceu nos últimos anos com a desculpa do Estado de direito, tanto que o último carregamento de ajuda foi desbloqueado graças ao facto de ter sido posto preto no branco que o artigo sétimo, o Estado de direito, não seria usado como um bastão ideológico contra um governo simplesmente porque esse governo é de uma cor política diferente da socialista".

Euronews: "Excluiria totalmente a adesão do partido Fratelli d'Italia ao Partido Popular Europeu?"

Nicola Procaccini: "Sim, excluo totalmente essa hipótese. Nós somos conservadores e reformistas, investimos muito nesta família política, nesta tradição política, e defendemo-la com unhas e dentes".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Von der Leyen admite acordo com eleitos pelo partido de Meloni

Nicolas Schmit: "Está fora de questão chegar a acordo com a extrema-direita"

Os Verdes: Para Terry Reintke, ecologia e segurança são duas faces da mesma moeda