EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Catalunha: em que consiste a lei da amnistia recentemente aprovada por Madrid?

Pedro Sánchez no Congresso após a aprovação da lei da amnistia.
Pedro Sánchez no Congresso após a aprovação da lei da amnistia. Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Roberto Macedonio VegaEuronews en español
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

A lei da amnistia foi esta manhã aprovada pela Câmara dos Deputados espanhola, em Madrid. O diploma terá de ser validado pelo rei e publicado no BOE para ter efeito. Em que consiste esta lei? A Euronews conversou com especialistas.

PUBLICIDADE

Após seis meses de duras negociações e no meio de fortes críticas da oposição, o Congresso aprovou na quinta-feira a lei da amnistia por uma margem curta de 177 votos a favor e 172 contra.

A lei vai amnistiar mais de 300 pessoas acusadas nos "procés", entre as quais o antigo presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, que se encontra foragido da justiça. A nível político, os analistas interpretam-na como uma nova vitória dos socialistas.

"O Governo conseguiu empatar o jogo no último minuto", resumiu o consultor político Jordi Sarrión, em declarações à Euronews. Sarrión considera que a Espanha está a entrar "numa nova fase de diálogo com a Catalunha".

Em que consiste a amnistia?

A amnistia é um instrumento jurídico que impede a perseguição penal dos arguidos. Em certas ocasiões, como esta, os Estados utilizam-na para resolver determinados conflitos.

"O efeito que tem é que quando alguém comete um crime, a responsabilidade criminal desaparece", explica à Euronews o advogado e repórter parlamentar Antonio Gómez de Olea, que esteve presente no Congresso dos Deputados na quinta-feira.

Gómez de Olea garante que a lei é limitada, ou seja, que apenas afeta os crimes cometidos na data específica incluída no texto legal (o período do 'procés' catalão).

Qual é a diferença entre amnistia e perdão?

Para que todos percebam, explica o advogado, um perdão significa "esquecer os atos criminosos sem os perdoar". A amnistia, por outro lado, é "o perdão total dos crimes", o que significa, de certa forma, que o Estado reconhece que agiu mal ao elaborar determinadas leis ou, por outro lado, que a justiça não deveria ter processado os condenados.

"A amnistia, em suma, consiste em perdoar certos crimes para que aqueles que os cometeram não possam ser processados", insiste o cronista parlamentar, que se debruça também sobre o crime de terrorismo.

O crime de terrorismo, fundamental

Após aaprovação da lei da amnistia, cabe agora aos juízes interpretá-la e aplicá-la. A questão mais sensível prende-se com os crimes de terrorismo imputados aos responsáveis da "Tsunami Democratic", a organização pró-independência que coordenou os protestos de 1 de outubrode 2017.

Pelos atos violentos ocorridos durante os protestos, o Supremo Tribunal abriu um processo penal por terrorismo contra Carles Puigdemont e o deputado Jorge Wagensberg como instigadores dos protestos.

"O que o 'Tsunami Democrático' fez é terrorismo, é o que os juízes têm agora de determinar", pergunta Antonio Gómez de Olea. No caso de se verificar que se trata de um crime de terrorismo, Puigdemont não escapará à condenação, uma vez que não pode ser amnistiado .

O que vai acontecer agora com Carles Puigdemont?

O futuro de Puigdemont depende do seu regresso a Espanha. Quando isso acontecer, diz Gómez de Olea, "terá de se entregar a um tribunal ou será detido. Nesse tribunal, haverá uma audiência em que será libertado em plena liberdade, em aplicação da amnistia".

Carles Puigdemont.
Carles Puigdemont.Joan Mateu/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

A lei da amnistia viola o direito comunitário?

A amnistia já foi aprovada, mas a justiça espanhola está sujeita à legislação comunitária enquanto membro da União Europeia. Isto significa que, assim que a lei de amnistia for publicada no Boletim Oficial do Estado, os juízes poderão remeter o caso para o Luxemburgo .

No caso dos juízes recorrerem ao sistema de justiça europeu, este terá de determinar se a lei está ou não em conflito com as normas da UE. Nesse caso, "a lei teria de ser reformulada".

"O cenário mais provável é que não haja conflito com o direito comunitário", diz o colunista parlamentar. Mas muitos também se interrogam sobre o efeito que esta medida terá nas eleições europeias.

Será que a amnistia vai afetar as eleições europeias?

Analistas políticos como Jordi Sarrión não acreditam que a amnistia afete o PSOE , "tendo em conta as últimas sondagens, especialmente num contexto em quea Europa está muito à direitae a Espanha não está assim tão à direita".

A curto prazo, isto não afetará o PSOE.
Jordi Sarrión Carbonell
Analista político

"A longo prazo, se Junts renunciar à via unilateral da independência, isso abriria a porta a possíveis pactos entre este grupo pró-independência e o Partido Popular, o que mudaria o panorama político", considera Sarrión.

Por enquanto, a lei de amnistia ainda não foi sancionada por Felipe VI e publicada no Diário Oficial do Estado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deputados espanhóis aprovam lei de amnistia para os separatistas da Catalunha

Parlamento espanhol aprova amnistia para separatistas catalães depois de o líder da região ter convocado eleições antecipadas

Novo naufrágio perto de Tenerife faz pelo menos 5 mortos. 68 migrantes foram resgatados com vida