EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Porque é que ainda não está generalizada a instalação de painéis solares em canais de água?

Trabalhadores indianos dão os últimos retoques em painéis solares instalados que cobrem o canal de Narmada na aldeia de Chandrasan, nos arredores de Ahmadabad, Índia, abril de 2012\.
Trabalhadores indianos dão os últimos retoques em painéis solares instalados que cobrem o canal de Narmada na aldeia de Chandrasan, nos arredores de Ahmadabad, Índia, abril de 2012\. Direitos de autor AP Photo/Ajit Solanki
Direitos de autor AP Photo/Ajit Solanki
De  Euronews Green com APTN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um estudo estima que cobrir os canais da Califórnia com painéis solares poderia gerar energia suficiente para abastecer Los Angeles durante a maior parte do ano.

PUBLICIDADE

Em 2015, a Califórnia estava a sofrer com um quarto ano de seca.

O então governador Jerry Brown ordenou uma redução sem precedentes de 25 por cento no consumo doméstico de água. Os agricultores, que são quem mais água utiliza, também se voluntariaram para ajudar, de forma a evitar cortes mais radicais e obrigatórios.

Brown também estabeleceu como objetivo que o Estado obtivesse metade da sua energia a partir de fontes renováveis, tendo em conta as alterações climáticas.

No entanto, quando os empresários Jordan Harris e Robin Raj foram bater às portas com uma ideia que aborda tanto o problema da água como a poluição climática - instalar painéis solares sobre os canais de irrigação - não conseguiram que ninguém se comprometesse.

Oito anos mais tarde, com um calor devastador, incêndios florestais sem precedentes, uma crise iminente no rio Colorado, um compromisso crescente com a luta contra as alterações climáticas, a sua empresa Solar AquaGrid prepara-se para lançar o primeiro projeto de um canal coberto por energia solar nos Estados Unidos.

"Tudo isto está a acontecer neste momento", disse Harris. "Haverá uma questão mais urgente a que possamos dedicar o nosso tempo?"

A ideia é simples: instalar painéis solares sobre canais em regiões ensolaradas e com escassez de água, onde reduzem a evaporação e produzem eletricidade.

Um estudo da University of California, Merced impulsiona esta ideia, estimando que se poderiam poupar 238 mil milhões de litros de água ao cobrir os 6.437 quilómetros de canais da Califórnia com painéis solares que poderiam também gerar 13 gigawatts de energia. É o suficiente para toda a cidade de Los Angeles, de janeiro até ao início de outubro.

Mas esta é uma estimativa - nem ela, nem outros potenciais benefícios foram testados cientificamente. Isso está prestes a mudar com o Projeto Nexus no Vale Central da Califórnia.

Há quanto tempo é que os canais solares estão a ser planeados?

Solar AquaGrid via AP
Impressão artística de canal solar no Vale Central da CalifórniaSolar AquaGrid via AP

A energia solar nos canais há muito que é discutida como uma solução dois em um na Califórnia, onde os terrenos acessíveis para o desenvolvimento de energia são tão escassos como a água. Mas a grande ideia ainda era hipotética.

Harris, um ex-executivo de uma editora discográfica, foi cofundador da campanha "Rock the Vote", que promoveu o registo de eleitores no início dos anos 90, e Raj organizou campanhas de responsabilidade social e sustentabilidade para empresas. Eles sabiam que as pessoas precisavam de um empurrãozinho - idealmente de uma fonte fiável.

Pensaram que a investigação de uma instituição de renome poderia ser suficiente e conseguiram financiamento para que a UC Merced estudasse o impacto dos canais cobertos por energia solar na Califórnia.

Publicados em 2021, os resultados do estudo estão a chamar a atenção. Chegaram ao governador Gavin Newsom, que telefonou a Wade Crowfoot, o seu secretário dos recursos naturais.

"Vamos pôr isto no terreno e ver o que é possível", disse o governador a Crowfoot.

Na mesma altura, o Distrito de Irrigação de Turlock, uma entidade que também fornece energia, contactou a UC Merced. Pretendia construir um projeto solar para cumprir o objetivo do estado de 100 por cento de energia renovável até 2045. Mas os terrenos eram muito caros, pelo que a construção sobre as infraestruturas existentes era apelativa.

Depois, havia a perspetiva de que a sombra dos painéis pudesse reduzir as ervas daninhas que crescem nos canais - um problema que custa a esta empresa de serviços públicos 1 milhão de dólares (cerca de 900 milhões de euros) por ano.

"Até à publicação deste documento da UC Merced, nunca tínhamos percebido realmente quais seriam esses benefícios", disse Josh Weimer, diretor de assuntos externos do distrito. "Se alguém ia pilotar este conceito, queríamos ter a certeza de que éramos nós."

O Estado disponibilizou 20 milhões de dólares (18 milhões de euros) em fundos públicos, transformando o projeto-piloto numa colaboração tripartida entre os setores privado, público e académico. Cerca de 2,6 quilómetros de canais com entre 6 a 33 metros de largura serão cobertos com painéis solares com entre 1,5 a 4,5 metros do chão.

PUBLICIDADE

A equipa da UC Merced vai estudar impactos que vão desde a evaporação à qualidade da água, disse Brandi McKuin, investigadora principal do estudo.

"Precisamos de chegar ao cerne destas questões antes de fazermos quaisquer recomendações sobre a forma de o fazer mais amplamente", disse.

O que a Califórnia pode aprender com a Índia sobre canais solares

Ajit Solanki/AP
O projeto da barragem de Narmada leva água a centenas de milhares de aldeias nas regiões áridas e secas do estado de Gujarat, no oeste da Índia.Ajit Solanki/AP

A Califórnia não é a primeira a recorrer a esta tecnologia.

A Índia foi pioneira num dos maiores projetos de irrigação do mundo. O projeto da barragem e do canal de Sardar Sarovar leva água a centenas de milhares de aldeias nas regiões secas e áridas do estado de Gujarat, no oeste da Índia.

O então ministro-chefe do estado de Gujarat, Narendra Modi, atual primeiro-ministro do país, inaugurou o projeto em 2012 com grande pompa. A Sun Edison, a empresa de engenharia, prometeu 19.000 quilómetros de canais solares. Mas, desde então, apenas uma mão-cheia de projetos de menor dimensão foram construídos. A empresa declarou falência.

PUBLICIDADE

"Os custos de capital são muito elevados e a manutenção é um problema", diz Jaydip Parmar, um engenheiro de Gujarat que supervisiona vários pequenos projetos de canais solares.

Com amplas terras áridas, a energia solar terrestre faz mais sentido do ponto de vista económico, disse ele.

O design desajeitado é outra razão pela qual a tecnologia não tem sido amplamente adotada na Índia. Os painéis do projeto-piloto de Gujarat ficam diretamente sobre o canal, limitando o acesso das equipas de manutenção e de emergência.

De volta à Califórnia, Harris tomou nota da experiência da Índia e começou a procurar uma solução melhor. O projeto na Califórnia utilizará melhores materiais e ficará mais alto.

Quando é que a Califórnia vai ter canais solares?

O Projeto Nexus pode não ficar sozinho durante muito tempo. A tribo indígena do rio Gila recebeu financiamento da Lei de Infraestruturas Bipartidária para instalar painéis solares nos seus canais, num esforço para poupar água e aliviar a pressão sobre o rio Colorado. E um dos maiores serviços públicos de água e energia do Arizona, o Salt River Project, está a estudar a tecnologia juntamente com a Universidade Estadual do Arizona.

PUBLICIDADE

Ainda assim, as mudanças rápidas não são exatamente aceites no mundo das infraestruturas hídricas, disse o deputado Jared Huffman, D-Calif.

"É um bastião ossificado de velhos engenheiros", disse ele.

Huffman tem vindo a falar da tecnologia há quase uma década e disse que acha que as pessoas ainda estão muito mais interessadas em construir barragens mais altas do que aquilo que ele diz ser uma ideia muito mais sensata.

No ano passado, o deputado Huffman aprovou uma provisão de 25 milhões de dólares (22 milhões de euros) através do Inflation Reduction Act para financiar um projeto-piloto para o Bureau of Reclamation. Os locais para esse projeto estão atualmente a ser avaliados.

E um grupo de mais de 100 grupos de defesa do clima, incluindo o Center for Biological Diversity e o Greenpeace, enviou agora uma carta à secretária do Interior, Deb Haaland, e à Comissária do Bureau of Reclamation, Camille Touton, instando-os a "acelerar a implantação generalizada de sistemas de energia solar fotovoltaica" nos canais e aquedutos geridos pela agência governamental.

PUBLICIDADE

Cobrir todos os 8.000 quilómetros de canais e aquedutos geridos pelo Bureau poderia "gerar mais de 25 gigawatts de energia renovável, o suficiente para abastecer quase 20 milhões de casas, e reduzir a evaporação da água em dezenas de milhares de milhões de litros".

Cobrir todos os canais seria o ideal, disse Huffman, mas começar com o Aqueduto da Califórnia e o canal Delta Mendota, "é um caso realmente atraente", disse ele. "E já é hora de começarmos a fazer isso."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Varandas solares estão a crescer na Alemanha. Eis o que precisa de saber sobre esta popular tecnologia doméstica

Tecnologias de energia limpa abrandaram crescimento das emissões globais de carbono em 2023

Reciclagem de cigarros: A Eslováquia está a transformar filtros em asfalto para estradas