EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Começou a época dos incêndios florestais. Eis o que a Europa está a fazer de errado

Firefighters spray water as they try to douse a fire near the village of Biguglia, Corsica island, France, July 25, 2017.
Firefighters spray water as they try to douse a fire near the village of Biguglia, Corsica island, France, July 25, 2017. Direitos de autor AP Photo/Raphael Poletti
Direitos de autor AP Photo/Raphael Poletti
De  Alice Tidey
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A UE está a concentrar-se demasiado na supressão dos incêndios florestais, disse um especialista à Euronews, e não está a tratar devidamente as causas profundas.

PUBLICIDADE

Quando o verão começou oficialmente na Europa, já tinham sido entregues em todos os países da União Europeia (UE) novos Canadairs e outros veículos de combate a incêndios e centenas de bombeiros estavam preparados para combater qualquer incêndio que pudesse deflagrar.

Para alguns, esta é a prova de que a forma como a UE lida com os incêndios florestais é míope, com demasiada ênfase nos serviços de emergência e insuficiente na prevenção. Há também a preocupação de que os decisores políticos tenham sido lentos a abordar a poluição atmosférica causada pelos incêndios, que se suspeita ser muito mais mortífera do que os próprios fogos.

Espanha e França já foram profundamente afetadas

De acordo com o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS), mais de 119 000 hectares já tinham sido reduzidos a cinzas em toda a UE desde o inicio do ano até 18 de junho. Trata-se de um valor muito acima da média de 80 000 hectares registada durante o mesmo período, entre 2003-2022.

Foram necessários apenas 31 dias para que as curvas que representam o número acumulado semanal de incêndios e de áreas ardidas deste ano divergissem significativamente das curvas que traçam as médias das duas últimas décadas.

Áreas da UE queimadas em 2023

Os números tornam-se mais preocupantes se tivermos em conta que quase uma dúzia de países, incluindo a Grécia e a Itália - tradicionalmente mais afetados - registaram valores abaixo da média. A superfície ardida em ambos os países desde janeiro de 2023 representa apenas 10% das médias que costumam registar nesta altura do ano.

Mas a Espanha e a França não tiveram tanta sorte. A superfície ardida em França já ultrapassou os 21 000 hectares, cerca de 3,5 vezes mais do que a média das últimas duas décadas. Desde janeiro, a Espanha perdeu 66 200 hectares, em 324 incêndios.

Uma série de países da Europa Central e Oriental também registaram um aumento dos números, embora a partir de um nível muito baixo, mas confirmando a tendência observada nos últimos anos, de que os incêndios florestais também se deslocam gradualmente para norte.

Número acumulado semanal de incêndios na UE

Supressão em vez de prevenção

No ano passado, o segundo pior ano desde 2006, foram devastados mais de 830 000 hectares, com prejuízos estimados em cerca de 2,5 mil milhões de euros.

Em resposta, a UE reforçou o seu arsenal de combate aos incêndios florestais, duplicando este ano a sua frota de combate , que passou a contar com 28 aeronaves estacionadas em 10 países. E, pelo segundo ano consecutivo, centenas de bombeiros foram pré-posicionados, desta vez na Grécia, em França e em Portugal.

Para Johann Georg Goldammer, diretor do Centro de Vigilância Global dos Incêndios (GFMC), sediado na Alemanha, esta medida é bem-vinda, mas pouco contribui para resolver as causas profundas.

"Neste momento, vejo que quase todos os governos estão a repetir o mesmo que foi feito anteriormente no Sul da Europa - concentrando-se na supressão de incêndios, exigindo veículos modernos, aviões e a participação no Mecanismo de Proteção Civil da UE", disse à Euronews.

"Parece que isto é, para os políticos, para a Comissão Europeia e para os governos, uma espécie de indicador de progresso. Mas não vejo qualquer investimento para resolver as causas subjacentes aos incêndios, como a silvicultura e a gestão do território", acrescentou.

Alterações climáticas e demográficas

As alterações climáticas desempenham um papel na multiplicação e intensidade dos incêndios florestais.

De acordo com o Observatório Europeu da Seca, mais de um quarto do território da UE está em condições de aviso de seca e outros 10% estão em alerta, devido a graves défices de precipitação e de humidade do solo.

E depois há o aumento das temperaturas. A Europa tem estado a aquecer duas vezes mais do que a média global desde a década de 1980 e, no ano passado, estava cerca de 2,3°C acima da média pré-industrial (1850-1900).

PUBLICIDADE

Mas as alterações demográficas também têm uma grande quota-parte de culpa. A desertificação das zonas rurais em favor dos centros urbanos significa que a terra já não é gerida da mesma forma.

A biomassa que era tradicionalmente utilizada na agricultura, no aquecimento ou em outras atividades humanas locais, "está agora disponível para os incêndios", disse Goldammer à Euronews.

As medidas de curto prazo, como as queimadas preventivas para reduzir a biomassa inflamável em certos corredores, podem ajudar, mas não são uma solução mágica.

Leah Hogsten/ 2021 Leah Hogsten | The Salt Lake Tribune
Bombeiros voluntários americanos usam tochas para iniciar uma queimada prescrita na Floresta Nacional de Fish Lake. 2021.Leah Hogsten/ 2021 Leah Hogsten | The Salt Lake Tribune

O Centro de Vigilância Global dos Incêndios tem vindo a recomendar aos governos europeus que tornem o espaço rural mais atrativo para as gerações mais jovens e que invistam na gestão tradicional, mas também inovadora, das terras para diminuir a sua inflamabilidade.

PUBLICIDADE

Onde há fogo, há fumo

Se o velho ditado diz que onde há fumo há fogo, o inverso também é verdadeiro e o fumo, ao que parece, pode revelar-se ainda mais perigoso.

"Quando há vegetação a arder, é emitida uma vasta gama de gases muito tóxicos e perigosos, bem como partículas em suspensão (PM), que têm um impacto direto na qualidade do ar local", disse Mark Parrington, cientista sénior do Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo (ECMWF), à Euronews.

De acordo com o Observatório Europeu da Saúde, a poluição atmosférica causada pelos incêndios florestais na Europa terá provocado 1400 mortes prematuras em 2005 e outras 1000 em 2008. Entretanto, 865 pessoas morreram em incêndios florestais entre 1945 e 2016 na Grécia, em Portugal, em Espanha e na ilha italiana da Sardenha.

PUBLICIDADE

"Os efeitos para a saúde relacionados com estas exposições maciças à poluição atmosférica incluem o aumento do risco de sintomas respiratórios e cardiometabólicos", disse à Euronews Zorana J. Andersen, presidente da Comissão de Ambiente e Saúde da Sociedade Europeia de Pneumologia. Estes sintomas podem levar a consequências graves que requerem medicação ou hospitalizações.

A poluição atmosférica é mais elevada nas proximidades do incêndio. Mas no caso dos mega incêndios - como os que ocorreram em França, Portugal, Espanha e Grécia nos últimos anos - quando as condições meteorológicas certas, ou mesmo erradas, estão reunidas, o fumo pode deslocar-se.

Por exemplo, o fumo dos incêndios florestais no Canadá nas últimas semanas chegou, por vezes, a uma altura suficiente para ser apanhado pela corrente e atravessar o Atlântico, disse Parrington. 

Os responsáveis políticos europeus devem aprovar urgentemente legislação para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa que provocam as alterações climáticas e "têm uma oportunidade histórica de aprovar a legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de poluição atmosférica" através da revisão em curso da Diretiva relativa à qualidade do ar ambiente.

PUBLICIDADE

"Isto conduziria a reduções significativas da poluição atmosférica e a melhorias diretas e importantes na saúde e, ao mesmo tempo, garantiria a atenuação das alterações climáticas, com um impacto positivo indireto na saúde", afirmou Andersen.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Calor volta a ameaçar Itália e Espanha onde já provocou centenas de mortes

Espanha prepara-se para época de incêndios florestais

Nas eleições antecipadas francesas, os partidos estão a ignorar o pesadelo das alterações climáticas