EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Política da UE. Política da UE. Parlamento Europeu terá novas regras mas há poucas mudanças para as mulheres

Segundo o novo regulamento, os deputados devem reunir-se "na frente do hemiciclo" para dar a ilusão de uma multidão.
Segundo o novo regulamento, os deputados devem reunir-se "na frente do hemiciclo" para dar a ilusão de uma multidão. Direitos de autor Daina Le Lardic/ European Union 2024 - Fonte : EP
Direitos de autor Daina Le Lardic/ European Union 2024 - Fonte : EP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O regulamento do Parlamento Europeu foi alterado. Haverá novas "super" comissões parlamentares, e mais poderes de inquérito sobre os Comissários. Mas continua a haver poucas medidas para garantir a igualdade de género.

PUBLICIDADE

Novas "super" comissões parlamentares, mais poderes de inquérito sobre os Comissários e tentativas de evitar reuniões aparentemente desertas são algumas das novidades previstas para o próximo Parlamento Europeu.

Os eurodeputados passaram os últimos 10 meses a atualizar o seu regulamento interno, um processo iniciado pela Presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola.

O objetivo da reforma era resolver problemas de longa data, como a falta de relevância em relação às outras instituições da UE e o absentismo visível no hemiciclo durante alguns debates de atualidade.

O processo terminou na semana passada, com a aprovação final das novas regras pelos deputados ao Parlamento Europeu. Eis uma pequena amostra de como a atividade parlamentar vai mudar durante o próximo mandato.

Supercomissões

Com o executivo da UE a apresentar cada vez mais "pacotes" de leis em vez de iniciativas legislativas isoladas, os conflitos de competências entre duas ou mais comissões parlamentares tornaram-se uma ocorrência frequente nos últimos anos.

As novas regras incluem um novo procedimento de consulta que permite atribuir as propostas da Comissão às comissões de forma mais direta, numa tentativa de evitar conflitos que surjam mais tarde - e de ganhar tempo no Conselho da UE, cujas negociações são frequentemente mais rápidas do que as do Parlamento.

Quando um pacote específico da Comissão exige o controlo de várias comissões, podem ser criadas novas comissões temporárias especiais com poderes legislativos que duram apenas até à adoção do ato.

No passado, foram criadas comissões especiais - como as do plano de luta contra o cancro da UE (BECA) ou da supervisão das lições aprendidas com a pandemia (COVI) - para tratar de questões específicas, mas não podiam adotar textos vinculativos.

Os membros destas "super" comissões - a principal novidade da reforma - serão nomeados pelos grupos políticos, enquanto a Conferência dos Presidentes do Parlamento Europeu pode decidir se nomeia um ou mais relatores para liderar o dossier e negociar com o Conselho da UE.

A reforma do Parlamento Europeu tem como objetivo permitir que os comissários sejam nomeados pelos grupos políticos.

Audições especiais de controlo

Outro objetivo da reforma era permitir um maior controlo democrático sobre o executivo da UE, uma função essencial do Parlamento nos termos dos Tratados da UE.

As novas regras prevêem disposições muito mais claras para as "audições de confirmação", nas quais os deputados ao Parlamento Europeu dão luz verde aos comissários designados antes de estes assumirem funções.

A duração da sessão de avaliação da competência dos potenciais comissários será alargada para quatro horas, enquanto o chefe da Comissão deverá também "informar o Parlamento sobre a estrutura prevista para a nova Comissão", em vez de se concentrar apenas na atribuição de pastas.

A sede dos legisladores por mais poderes de investigação ficou patente durante o recente caso que envolveu a revogação da nomeação de Markus Pieper que tinha sido nomeado para o cargo de enviado das pequenas empresas, um caso suspeito de favoritismo político que abalou o executivo da UE.

A demissão do polémico representante para um cargo altamente remunerado da UE só aconteceu depois de o Parlamento ter instado a Comissão a anular a nomeação contestada. No entanto, devido à ausência de um procedimento específico, os eurodeputados expressaram o seu desconforto apresentando uma alteração a um dossier orçamental não relacionado com o assunto.

A partir da próxima legislatura, o Parlamento Europeu terá uma nova arma, as audições especiais de controlo, através das quais poderá questionar os Comissários ou quaisquer outras pessoas relevantes sobre as suas acções políticas relativamente a uma questão de grande importância política.

Não há medidas de peso para garantir equilíbrio entre os géneros

As mulheres no Parlamento enfrentam uma sub-representação significativa - e não apenas no hemiciclo, mas em todos os cargos administrativos. Mesmo quando presidem a comissões, são frequentemente relegadas para a supervisão de tópicos menos conhecidos, perpetuando o desequilíbrio de poder e visibilidade dentro da instituição.

Embora houvesse grandes expectativas quanto à forma como a igualdade entre homens e mulheres seria tratada nesta reforma, as disposições finais ficaram aquém das expetativas.

PUBLICIDADE

Uma alteração proposta pelo partido A Esquerda para incentivar uma maior representação feminina foi aprovada, mas não incluía quaisquer obrigações vinculativas em matéria de quotas.

A nova regra afirma apenas: "os grupos políticos têm a responsabilidade colectiva de apresentar candidatos que respeitem o equilíbrio entre os géneros", o que não deixa entrever grandes mudanças em matéria de igualdade de género.

Em relação ao controlo exercido pelo Parlamento sobre a Comissão, as regras especificam agora que o Parlamento Europeu examinará não só a composição do colégio de comissários em termos de responsabilidades, mas também o seu equilíbrio de género.

Plenários "ridículos" e vazios vão manter-se

Em 2017, Jean-Claude Juncker, ex-Chefe da Comissão Europeia, perante uma audiência de apenas 30 deputados durante uma audição parlamentar, considerou "ridícula" a única instituição democrática da UE.

Sete anos depois, o absentismo continua a ser notório, manchando a imagem do Parlamento e diminuindo a sua credibilidade democrática.

PUBLICIDADE

A reforma pretende encorajar uma participação mais visível nas sessões parlamentares, especialmente através das câmaras. Uma das novas regras processuais estabelece que "os deputados não devem ter lugares pré-atribuídos e devem ser encorajados a sentar-se na frente do hemiciclo", o que significa que os legisladores devem juntar-se para dar a ilusão de uma multidão.

A falta de assiduidade vai, no entanto, manter-se na próxima legislatura, uma vez que as alterações mais ambiciosas para resolver a questão foram diluídas em várias passagens antes da votação em plenário.

Os deputados ao Parlamento Europeu só serão "incitados" - mas sem qualquer obrigação real - a permanecer na sala durante um debate em que estejam a participar, o que significa que ainda poderão estar presentes para a sua curta intervenção e sair imediatamente a seguir.

A falta de atenção dos meios de comunicação social tem sido frequentemente considerada um incentivo ao absentismo crónico, sobretudo quando os temas discutidos são demasiado técnicos ou quando a dinâmica política que desencadeou o debate já passou.

Uma nova disposição permitirá a convocação de plenários "especiais" para abordar "questões de importância política significativa", criando uma plataforma de diálogo que pode ser convocada no pico dos ciclos noticiosos.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

11 momentos que definiram o mandato 2019-2024 do Parlamento Europeu

Oitenta anos depois, a França assinala o direito de voto das mulheres

Há dois países Europeus alimentados a 100% por energias renováveis