EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Troca de prisioneiros entre o Irão e a Suécia: Hamid Nouri libertado

 O cidadão sueco Johan Floderus está na sala de audiências do Tribunal Revolucionário em Teerão, no Irão
O cidadão sueco Johan Floderus está na sala de audiências do Tribunal Revolucionário em Teerão, no Irão Direitos de autor Hossein Yarahmad/AP
Direitos de autor Hossein Yarahmad/AP
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Estocolmo e Teerão chegaram a acordo sobre uma troca de prisioneiros. Libertado da Suécia Hamid Nouri, um dos responsáveis pelas execuções em massa de opositores, ordenadas por Teerão em 1988.

PUBLICIDADE

O Irão e a Suécia concluíram uma troca de prisioneiros no sábado que prevê a libertação de Hamid Nouri, condenado pela Suécia por crimes de guerra durante as execuções em massa na República Islâmica em 1988, em troca de um diplomata da UE e de outro cidadão detido por Teerão.

O Irão libertou Johan Floderus, um sueco que trabalhava para o corpo diplomático da UE, e um homem identificado como Saeed Azizi, disse o primeiro-ministro sueco Ulf Kristersson.

Os dois "estão agora num avião que os levará de volta à Suécia e em breve estarão reunidos com as suas famílias", acrescentou Kristersson no X.

A troca de prisioneiros foi intermediada por Omã, avançou a agência noticiosa estatal Oman News Agency. A televisão estatal iraniana informou que Nouri já tinha sido libertado e regressaria a Teerão.

Prisão perpétua por execuções em massa em Nouri

Em 2022, o Tribunal Distrital de Estocolmo condenou Nouri a prisão perpétua pelo seu papel nas referidas execuções. O tribunal identificou Nouri como procurador-adjunto na prisão de Gohardasht, nos arredores da cidade iraniana de Karaj, local onde ocorreram as mortes.

As execuções em massa aconteceram no final da longa guerra entre o Irão e o Iraque, em 1988. O então Líder Supremo do Irão, Ruhollah Khomeini, aceitou um cessar-fogo mediado pela ONU, depois de membros do grupo de oposição iraniano Mujahedeen-e-Khalq, fortemente armados por Saddam Hussein, terem atravessado a fronteira com o Irão num ataque surpresa.

O Irão acabou por repelir o ataque, mas este preparou o caminho para os julgamentos fictícios de prisioneiros políticos, ativistas e outros que seriam conhecidos como "painéis da morte".

Os grupos internacionais de defesa dos direitos humanos estimam que foram executadas cerca de cinco mil pessoas. O Irão nunca reconheceu totalmente as execuções, aparentemente realizadas por ordem de Khomeini, embora haja quem afirme que outros altos funcionários foram efetivamente responsáveis nos meses que antecederam a sua morte em 1989.

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, que morreu num acidente de helicóptero em maio, também esteve envolvido nessas execuções em massa.

A família de Floderus declarou que ele foi detido em abril de 2022 no aeroporto de Teerão, quando regressava de férias com amigos. A sua detenção representa um novo caso em que Teerão utiliza estrangeiros ou pessoas com dupla nacionalidade como peões nas negociações com o Ocidente.

Em fevereiro, o grupo Human Rights Activists in Iran informou que o cidadão iraniano-sueco Azizi tinha sido condenado a cinco anos de prisão pelo Tribunal Revolucionário de Teerão por "montagem e conluio contra a segurança nacional". O grupo declarou que Azizi sofria de cancro. Foi vítima de um acidente de helicóptero em maio e esteve também envolvido em execuções em massa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O "carniceiro de Teerão": como será lembrado o presidente iraniano Ebrahim Raisi?

Irão anuncia troca de prisioneiros com EUA depois do desbloqueio de fundos iranianos

Bélgica e Irão confrontam-se em troca de prisioneiros