EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quem vai dominar os maiores blocos do Parlamento Europeu?

Parlamento Europeu vota legislação em 2023
Parlamento Europeu vota legislação em 2023 Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Jack Schickler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A corrida aos lugares de maior influência no Parlamento Europeu começou. A Alemanha e a Itália parecem ser os líderes dos grupos políticos mais influentes da UE - mas onde está a França?

PUBLICIDADE

A estrutura do novo Parlamento Europeu ainda não está finalizada, mas já se torna claro quais as delegações que irão dominar os principais blocos políticos.

A análise da Euronews mostra que a delegação alemã é a mais importante no maior grupo do bloco, o Partido Popular Europeu (PPE) de Ursula von der Leyen, e também domina no mais pequeno, o Partido Verde.

A Itália terá uma influência significativa sobre os socialistas de centro-esquerda e o movimento de direita Conservadores e Reformistas Europeus (ECR), após um forte desempenho, nas sondagens, do Partido Democrático e dos Irmãos de Itália, de Giorgia Meloni.

Mas a França destaca-se pela sua ausência nas grandes coligações pan-europeias que determinam o fluxo de fundos e de poder no Parlamento Europeu.

Os maiores grupos - e as maiores delegações nacionais que os integram - podem esperar ser os primeiros a escolher os lugares mais importantes, como as presidências das comissões e a responsabilidade na legislação mais importante.

No seu conjunto, a análise da Euronews atribui a todos os grandes partidos, com exceção de algumas dezenas dos 720 deputados europeus, um dos sete grandes grupos políticos que poderão emergir nas negociações das próximas semanas.

Quem é que vai dominar os grandes blocos do Parlamento Europeu?

O Partido Republicano francês tem apenas seis eurodeputados no PPE. O partido de centro-direita de Charles de Gaulle e Nicolas Sarkozy está atualmente a implodir, depois de a sua liderança ter tentado fazer um acordo com a extrema-direita nas eleições parlamentares nacionais.

Na quarta-feira, o presidente dos Republicanos, Eric Ciotti, fechou-se na sua sede em Paris e recusou os pedidos de vários líderes do partido para que se demitisse.

A lista centrista do Presidente Emmanuel Macron obteve 13 deputados europeus, o que a torna dominante no grupo liberal Renew - mas Macron foi derrotado pela extrema-direita do Rassemblement National de Marine Le Pen, obrigando-o a convocar eleições antecipadas.

Em contrapartida, os resultados são uma boa notícia para a Polónia, que pode orgulhar-se de ter 23 eurodeputados no PPE e 20 no ECR.

E quais são os blocos mais pequenos no Parlamento Europeu?

Depois de muitos anos de retrocesso democrático, o Governo de centro-direita de Donald Tusk tomou posse no ano passado, sob os aplausos de Bruxelas.

Os resultados promissores são susceptíveis de dar um impulso extra à influência de Varsóvia na UE, enquanto os líderes em Berlim e Paris ficam a lamber as feridas de uma derrota eleitoral.

Ainda não está tudo decidido

Embora as urnas das eleições europeias tenham encerrado no domingo, 9 de junho 2024, ainda há muito por resolver.

Os grupos da UE ainda não decidiram formalmente a sua composição, o que pode significar que ainda serão criadas novas alianças ou que os parceiros mais problemáticos serão afastados.

Os eurodeputados do partido VVD de Mark Rutte, que entrou controversamente numa coligação com a extrema-direita holandesa, deverão ser mantidos.

PUBLICIDADE

Os cinco deputados holandeses e alemães do partido pan-europeu Volt podem optar por continuar com os Verdes ou optar pelo Renew. (Nos gráficos acima, não são apresentados como tal).

Incerteza

E há uma incerteza particular quanto à forma como os extremos se podem unir.

Como é que os extremos se podem unir?

Os 30 deputados do Rassemblement National constituem o maior partido do Parlamento Europeu e podem tornar-se ainda maiores se, a eles, se juntarem os membros do Reconquest, outro partido francês que está atualmente em cisão com o seu próprio líder.

Provavelmente, dominariam qualquer agrupamento de extrema-direita - e há quem espere que também pudessem juntar o Fidesz da Hungria, o partido cada vez mais autoritário de Viktor Orban no poder, ou o PiS (Lei e Justiça) da Polónia. Ainda que existam diferenças de opinião significativas entre Varsóvia e Budapeste sobre questões políticas fundamentais como a Ucrânia.

PUBLICIDADE

Embora numericamente a direita radical possa orgulhar-se de ter mais de 100 eurodeputados, não é claro que isso se traduza num supergrupo extremista, ou num acesso a posições influentes na administração do Parlamento.

O AfD alemão foi expulso do grupo de extrema-direita da UE depois de o seu candidato principal, Maximilian Krah, ter feito comentários considerados simpáticos aos paramilitares das SS da era nazi.

Os cerca de 60 eurodeputados da esquerda ainda têm de decidir como se vão reunir.

Há algumas delegações de esquerda importantes à procura de uma casa - incluindo uma aliança liderada pela alemã Sahra Wagenknecht (BSW), o Movimento Cinco Estrelas de Itália e o partido Smer do primeiro-ministro eslovaco Robert Fico, que foi recentemente suspenso do grupo socialista.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Da prisão para o Parlamento Europeu: Quem são os eurodeputados atrás das grades?

Eleições europeias: os vencedores e os vencidos em Bruxelas e em toda a Europa

Zelenskyy pede ao Ocidente mais sistemas Patriot e caças F-16