EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estes são os postos de trabalho que poderão ser mais afetados pela Inteligência Artificial

Alguns empregos estão mais expostos à IA
Alguns empregos estão mais expostos à IA Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O estudo elaborado por investigadores da OpenAI, OpenResearch, e da Universidade da Pensilvânia examina a "exposição" das profissões à IA

PUBLICIDADE

A OpenAI, a empresa responsável pela popular plataforma de conversação ChatGPT, tem analisado a exposição de diferentes empregos à inteligência artificial (IA).

Utilizando o seu mais recente modelo de aprendizagem de línguas, o GPT-4, bem como os conhecimentos humanos, os investigadores avaliaram as potenciais implicações nas profissões dentro do mercado de trabalho dos Estados Unidos (EUA).

Os investigadores, que sublinham que o estudo não é uma previsão, concluíram que cerca de 80% da mão-de-obra dos EUA poderia ter pelo menos 10% das suas tarefas de trabalho afetadas por GPT ( Generative Pre-Train Transformers), e que cerca de 19% dos trabalhadores poderiam ver pelo menos 50% das suas tarefas afetadas.

O artigo elaborado por investigadores da OpenAI, OpenResearch, e da Universidade da Pensilvânia examina a "exposição" das tarefas de trabalho à IA. Os investigadores definiram a "exposição" como uma medida para determinar se o acesso a um sistema alimentado por GPT poderia reduzir em pelo menos 50% o tempo que um humano leva a executar uma tarefa de trabalho específica.

Quais são os empregos mais "expostos"?

Durante o estudo, investigadores e IA trabalharam separadamente a exposição de diferentes profissões. Foram identificados dezenas de trabalhos como "totalmente expostos".

Totalmente exposto não significa que as tarefas possam ser totalmente automatizadas por estas tecnologias - mas significa que estimam que os GPT poderiam poupar aos trabalhadores "uma quantidade significativa de tempo a completar uma grande parte das suas tarefas".

Os investigadores identificaram 15 profissões como totalmente expostas, e o modelo linguístico encontrou 86.

Estas são as profissões que os investigadores identificaram como 100% expostas:

  • Matemáticos
  • Trabalhadores dos Impostos
  • Analistas Quantitativos Financeiros
  • Escritores e Autores
  • Designers de Interface Web e Digital

Outras ocupações de elevada exposição identificadas pelos investigadores

  • Analistas de inquéritos (84.4)
  • Escritores e Autores (82,5)
  • Intérpretes e tradutores (82.4)
  • Especialistas em Relações Públicas (80,6)
  • Zoologista (77,8)

Estas são as profissões que os modelos linguísticos identificaram como 100% expostas:

  • Matemáticos
  • Contabilistas e Auditores
  • Analistas, Repórteres e Jornalistas
  • Secretários Jurídicos e Assistentes Administrativos
  • Gestores de Dados Clínicos
  • Analistas de Alterações Climáticas

Os modelos linguísticos também encontraram estes trabalhos expostos a mais de 90%

  • Gestores de Correspondência
  • Engenheiros de Redes
  • Tradutores e Estenógrafos judiciais
  • Revisores

"Observámos que a maioria das ocupações apresentam algum grau de exposição aos GPT, com as ocupações com salários mais elevados a apresentarem geralmente mais tarefas com elevada exposição", concluíram os autores do estudo. 

Limitações do estudo

Os autores identificaram uma série de limitações no seu estudo. A primeira, foi o facto da abordagem se basear na subjetividade das profissões, o que poderia levar a juízos tendenciosos sobre a fiabilidade e eficácia dos GPT em certas profissões não familiares aos investigadores humanos.

Além disso, os autores admitem que não é claro até que ponto as ocupações podem ser inteiramente divididas em tarefas específicas, e se esta abordagem omite certas categorias de competências ou tarefas necessárias para o desempenho competente de um trabalho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As melhores ferramentas de IA para impulsionar a sua investigação académica

Como é que a inteligência artificial o pode ajudar a poupar tempo?

Inteligência artificial em destaque no Mobile World Congress