Governo regional quer estado de emergência em Lesbos

Governo regional quer estado de emergência em Lesbos
Direitos de autor APManolis Lagoutaris
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A situação da ilha grega, sobrelotada de migrantes, não agrada nem aos refugiados nem aos locais.

PUBLICIDADE

A situação nas ilhas do norte do Egeu, na Grécia, em especial Lesbos, está cada vez mais difícil, tanto para os refugiados, cujo número continua a aumentar, como para os locais. Se uns se queixam das más condições em campos como o de Moria e voltaram a sair às ruas para protestar contra a situação, os outros estão igualmente descontentes e pedem que o governo acelere o processo para que os migrantes se vão embora.

Kostas Moutzouris, governador da região do Egeu do Norte, explica as prioridades: "Em primeiro lugar, os migrantes devem ser transferidos das ilhas. Segundo, as ONG devem ser verificadas e validadas. Terceiro, o hospital de Mitilene precisa de mais médicos. Só no ano passado tivemos 13 mil migrantes a pedir assistência médica. Todos os hospitais das ilhas precisam de mais pessoal".

Kostas Moutzouris pediu ao governo da Grécia que decretasse o estado de Emergência mas, segundo o porta-voz do executivo de Atenas, Stelios Petsas, acabou por ficar convencido da vontade do governo em melhorar a situação. O ministro das Migrações e Asilo, Notis Mitarakis,  prometeu dar prioridade à segurança dos cidadãos e condenou episódios de violência protagonizados por migrantes.

Mas parece continuar longe uma solução para o campo de Moria, concebido para albergar três mil pessoas e que aloja, neste momento, mais de vinte mil migrantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova tragédia em dois naufrágios de barcos a caminho da Grécia

Polícia grega salva 20 migrantes e prende contrabandistas

Alegados traficantes de migrantes vítimas de naufrágio acusados pela justiça grega