EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Professores que denunciaram comportamento da extrema-direita numa escola alemã abandonam a cidade

Os professores Max Teske e Laura Nickel tentaram contrariar as actividades de extrema-direita dos alunos do liceu da sua pequena cidade.
Os professores Max Teske e Laura Nickel tentaram contrariar as actividades de extrema-direita dos alunos do liceu da sua pequena cidade. Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os dois professores afirmam que os alunos se cumprimentavam com saudações nazis, ameaçavam bater em colegas imigrantes e eram homofóbicos e sexistas.

PUBLICIDADE

Dois professores do leste da Alemanha tentaram lutar contra as atividades de extrema-direita dos alunos do liceu onde trabalhavam. Os professores denunciaram os alunos que ameaçavam bater em colegas imigrantes. Para tal, deram mais aulas sobre o passado nazi da Alemanha e convidaram um rapper negro para falar sobre respeito mútuo.

Nada disso ajudou. Desesperados, Laura Nickel e Max Teske escreveram uma carta pública descrevendo um ambiente de intimidação na escola Mina Witkojc, em Burg. Relataram que os alunos se cumprimentavam com a saudação nazi, riscavam suásticas nas secretárias e tocavam música com letras racistas nos corredores.

"Os professores e os alunos que lutam abertamente contra os alunos e professores de extrema-direita temem pela sua segurança", afirmam os dois na carta que enviaram aos jornais locais, acrescentando que as escolas "não podem servir de casa para os inimigos da democracia".

Nickel, que ensinava inglês e história, e Teske, professor de matemática e geografia, não estavam preparados para a reação negativa. Uma carta de um grupo anónimo de pais exigia a sua demissão. Autocolantes com as suas fotografias e a legenda "Vão-se lixar para Berlim" foram colocados em postes de iluminação perto do liceu. Nas redes sociais, alguém declarou o desejo de os "caçar".

AP Photo/Markus Schreiber
A professora Laura Nickel mostra o telefone com fotos de autocolantes num poste de luz com imagens dela e do colega Max Teske acompanhadas da legenda "Fujam para Berlim".AP Photo/Markus Schreiber

Ainda mais desanimados com o que dizem ser a falta de apoio dos colegas, do diretor e dos administradores locais, Nickel e Teske anunciaram que iam abandonar a escola e a cidade situada a 116 quilómetros a sudeste de Berlim.

"As declarações, ações, slogans, homofobia e sexismo de extrema-direita estavam e estão na ordem do dia nesta escola", declarou Nickel, 34 anos, que trabalhou em Mina Witkojc durante quatro anos, numa entrevista conjunta com Teske, 31 anos, que lecionou nesta escola durante três anos.

Nem a escola nem a autoridade escolar local responderam aos pedidos de comentário sobre as demissões dos professores.

Mas a experiência de Teske e Nickel despertou na capital alemã o receio de que a extrema-direita tenha ganho mais terreno em algumas regiões da antiga Alemanha de Leste do que muitos pensavam.

Especialmente no sul do Estado de Brandemburgo, onde se situa Burg, os especialistas dizem que uma rede de salões de tatuagens, clubes noturnos, grupos de jovens e clubes de adeptos da equipa de futebol FC Energie Cottbus espalham as mensagens do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha, ou AfD.

No início deste mês, os serviços secretos do Estado de Brandemburgo colocaram a Alternativa Jovem para a Alemanha, a ala do AfD para apoiantes com 14 anos ou mais, sob vigilância oficial como um grupo "comprovadamente extremista de direita".

O Ministério da Educação, criticado por não apoiar suficientemente os professores, anunciou na semana passada que as autoridades identificaram um adolescente suspeito de ter publicado o post "caça-os" no Instagram.

O diretor executivo da Fundação Amadeu Antonio, Timo Reinfrank, cuja organização promove os direitos humanos e trabalha contra o extremismo de direita, o racismo e o antisemitismo na Alemanha, disse que o sul do estado de Brandemburgo se tornou "uma zona de medo que os nazis declararam como a sua zona de origem".

Reinfrank disse que isso não é realmente uma surpresa para aqueles que conhecem a área, onde a extrema-direita estava ativa mesmo antes da fundação da AfD, há uma década. A fundação que dirige foi baptizada com o nome de um trabalhador angolano contratado que, em 1990, foi morto quando 50 jovens com tacos de basebol foram à procura de pessoas negras para atacar na cidade de Eberswalde, em Brandemburgo.

O AfD foi fundado em 2013 e entrou pela primeira vez no parlamento alemão quatro anos mais tarde, depois de ter feito campanha sob uma plataforma anti-migrante. Sondagens recentes mostram o partido com um nível recorde de apoio a nível nacional, cerca de 20%.

As razões para o seu apelo particular na Alemanha de Leste são múltiplas.
Muitos perderam os empregos após a reunificação da Alemanha e os residentes ainda falam de se sentirem cidadãos de segunda classe em comparação com a parte ocidental do país. A AfD aproveitou a pandemia e o afluxo de refugiados ucranianos para promover uma narrativa de "nós contra eles", dizem os especialistas.

Muitos pensam que a AfD poderá emergir como o partido mais forte nas eleições do próximo ano em Brandeburgo e nos outros estados orientais da Saxónia e da Turíngia.
Na Turíngia, no mês passado, o candidato do AfD ganhou o lugar de administrador do condado de Sonneberg, a primeira vez desde a era nazi que um partido de extrema-direita ficou em primeiro lugar a nível do condado.

Depois dos professores terem anunciado a saída, o chefe da secção da AfD em Cottbus, a segunda maior cidade do Estado de Brandemburgo, aplaudiu no Twitter o facto de Teske, a quem chamou "informadora radical de esquerda", e o seu "cúmplice" terem desaparecido.

A polícia está a investigar as ameaças. Quando Teske sai à rua, costuma olhar para ver se alguém o está a seguir. Recentemente, um homem aproximou-se dele numa loja e sussurrou-lhe ao ouvido: "Vai-te embora daqui".

PUBLICIDADE

Ao chamar a atenção para as condições deploráveis da escola, Teske e Nickel provocaram um debate nacional muito necessário sobre a ascensão da extrema-direita na Alemanha.

"Vamos continuar a falar alto, vamos continuar a ter impacto político e não vamos deixar que a extrema-direita ganhe", afirmou.

"A história repete-se e penso que temos de fazer alguma coisa para acabar com os partidos antidemocráticos na Alemanha", acrescentou Nickel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

AfD promete retirar Alemanha da União Europeia

Justiça alemã suspende vigilância à AfD

Esquerda resiste à extrema-direita na Turíngia