Hamas diz que entrega de reféns vai ser adiada até Israel "cumprir o acordo"

Israel e Hamas trocaram prisioneiros, após acordo de cessar-fogo ter entrado em vigor
Israel e Hamas trocaram prisioneiros, após acordo de cessar-fogo ter entrado em vigor Direitos de autor ALEX MITA/AFP
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Está em causa a entrada de ajuda no norte de Gaza e os critérios de seleção dos palestinianos detidos nas prisões israelitas.

PUBLICIDADE

O braço armado do Hamas disse esta tarde que vai adiar a entrega de um segundo grupo de reféns até que Israel "cumpra os termos do acordo".

Segundo as brigadas Izz el-Deen al-Qassam, está em causa a entrada de ajuda no norte de Gaza e os critérios de seleção dos palestinianos detidos nas prisões israelitas.

Em declarações à agência France Press, uma fonte do Hamas disse que a entrega de 14 reféns à Cruz Vermelha tinha começado, mas depois disse que o processo de transferência tinha sido interrompido.

Um funcionário israelita confirmou que os reféns ainda não tinham sido entregues à Cruz Vermelha e garantiu que "Israel não violou o acordo".

Primeiro grupo já foi libertado

Ontem foi libertado o primeiro grupo de 24 pessoas, incluindo 10 tailandeses e um filipino.

Entre os restantes 13 detidos havia quatro crianças. De acordo como o Canal 12 israelita, na segunda entrega, o número de menores vai aumentar.

Em contrapartida, Israel colocou já palestinianos em liberdade

Na Cisjordânia celebrou-se o regresso de 15 menores e 24 mulheres. Entre elas, Marah Bakeer, presa em 2015, aos 16 anos, para quem o regresso traz um misto de felicidade e amargura.

"Sim, estou feliz, mas, ao mesmo tempo, o que é muito angustiante é que o preço da nossa liberdade acaba por ser o sangue dos mortos em Gaza. Esperamos que agora estejam bem e que a guerra termine em breve", afirma.

Apesar do cessar-fogo, em vigor desde sexta-feira, Israel avisa que a guerra não acabou. O objetivo mantém-se: destruir o Hamas e impedir um novo 7 de outubro.

As Forças de Defesa de Israel (FDI), através do seu porta-voz, Daniel Hagari, informaram que “durante os dias de tréguas, irão concluir a preparação e ficar prontas para as próximas fases da guerra. As tropas estão preparadas e prontas em todos os teatros de guerra". 

Ao Hamas e à comunidade internacional, o exército israelita clarifica: "atuaremos contra qualquer ameaça ao Estado de Israel"

O acordo de cessar-fogo foi estabelecido entre Israel e o Hamas, com mediação do Qatar, mas outros dois grupos rivais de Israel garantem também respeitar as tréguas em troca de não serem atacados: por um lado, a Jiade Islâmica, grupo armado palestiniano que também opera a partir da Faixa de Gaza e pode ter feito alguns reféns no ataque terrorista de 7 de outubro; por outro, o Hezbollah, grupo libanês com ligações ao Irão e ao Hamas. 

Os combates entre Israel e o Líbano intensificaram-se na fronteira, na quinta-feira, mas o Hezbollah tem estado a respeitar a trégua em vigor.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Familiares de reféns israelitas pedem ajuda ao Parlamento Europeu

Elon Musk visita Israel após polémica sobre antissemitismo

Trégua permite entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza