EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Avisos da ciência impõem na COP28 urgência de agir para travar o aquecimento global

Jeremy Wilks na COP28
Jeremy Wilks na COP28 Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Francisco MarquesJeremy Wilks
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Diversos relatórios reforçam a urgência climática. No Dubai, ouvimos alguns cientistas sobre o que falta para baixarmos a "febre" do planeta

PUBLICIDADE

A Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, no Dubai, tem sido confrontada nesta primeira semana com diversos relatórios preocupantes sobre o estado de saúde do planeta e os esforços para travar a subida da febre climática.

O Monitor de Ação Cimática mostra-nos que nenhum país no mundo está efetivamente no bom caminho para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e cumprir o objetivo de 1,5°C do Acordo de Paris. 

O Projeto Global de Carbono revelou ainda que essas emissões subiram em 2023 em cerca de 1,1% por todo o mundo e mais de 8% só na Índia. 

Tivemos também a revisão da década pela Organização Mundial de Meteorologia (WMO) que compara todas as alterações a partir dos fenómenos ‘La Niña’ e ‘El Niño’.

As perspetivas não são boas para o nosso planeta. O autor do relatório da WMO disse à Euronews, na COP28, que "estamos a assistir a uma aceleração das alterações climáticas num vasto leaue de áreas do sistema climático". 

"Registámos um aumento contínuo das temperaturas globais. A subida do nível do mar não para. Assistimos à perda de camadas de gelo a um ritmo crescente. Os oceanos estão a ficar mais quentes e mais ácidos. Portanto, estamos a assistir a mudanças em grande parte do sistema climático. No geral, são mudanças que não vão na boa direção", avisa Blair Trewin, cientista-chefe na WMO.

Perante estas evidências, o que realmente faz falta é mudar a conversa, disse-nos Bertram Picard, o fundador da Fundação Impulso Solar.

"Precisamos de mostrar mais as soluções do que os problemas.Temos de mostrar que a descarbonização tem de ser feita através de uma modernização rentável dos países, com mais eficiência, deixando de desperdiçar energia e recursos, e parando de poluir, mas também deixando de desperdiçar dinheiro", defende Picard.

O fundador da Impulso Solar resume os problemas a "uma urgência climática, sim, mas com um imperativo económico que pode provavelmente ser muito mais motivador para o mundo da política económica industrial".

Com estas reflexões e estes relatórios em mente, a grande questão, agora, é saber se no final desta conferência vamos conseguir um acordo consensual para acabar gradualmente com os combustíveis fósseis e de colocar efetivamente o planeta no caminho correto para limitar até 2050 o aquecimento global a 1,5.°C acima dos níveis pré-industriais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COP28: Esboço do acordo final desilude União Europeia

Planeta Terra está perto de atingir "pontos de não-retorno", diz relatório

Emirados Árabes Unidos tenta recuperar das chuvas mais fortes alguma vez registadas no país