EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha: "É possível que já estejamos a viver uma guerra mundial"

Husni Abdel Wahed, Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana junto do Reino de Espanha.
Husni Abdel Wahed, Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana junto do Reino de Espanha. Direitos de autor Jesús Maturana / 'Euronews'
Direitos de autor Jesús Maturana / 'Euronews'
De  Roberto Macedonio VegaMaría Muñoz Morillo
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

Num contexto de máxima tensão internacional, após o contra-ataque do Irão a Israel, o embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha fala à Euronews de uma possível Terceira Guerra Mundial e apelida Netanyahu de "corrupto" e "genocida".

PUBLICIDADE

Depois de um fim de semana em que o embaixador não parou de se informar sobre os acontecimentos entre Israel e o Irão, provavelmente através da rádio, que continua a ser um dos seus meios de comunicação preferidos, Husni Abdel Wahed falou com a Euronews no seu gabinete.

Atrás de si, uma vida de estudos e de trabalho diplomático. Nasceu num campo de refugiados em Jericó. Atualmente, defende uma solução para a fome dos refugiados na Faixa de Gaza. Ele sabe o que eles estão a passar. Rodeado de livros e entre bandeiras palestinianas e espanholas, oferece-nos um chocolate para adoçar uma conversa amarga. É um chocolate suíço, símbolo de neutralidade, palco de muitas conferências de paz, como as que ele próprio quer ver realizadas.

Euronews: Este fim de semana o Irão contra-atacou Israel com uma manobra sem precedentes. O conflito está a assumir uma nova dimensão?

Husni Abdel Wahed: Passaram 192 dias desde o início do genocídio perpetrado por Israel contra o nosso povo. Desde o primeiro dia alertámos que Israel estava interessado em alargar este confronto bélico a outros actores. Aparentemente, está a ser bem sucedido. Porque enquanto o mundo aguarda esta resposta do Irão, Israel continua a perpetrar o genocídio na Faixa de Gaza. Mas isso já está em segundo plano.

P: O que pensa da reação do Irão?

R: Na semana passada, Israel bombardeou o consulado iraniano na Síria e não houve qualquer condenação por parte dos países ocidentais. Anteontem à noite, o Irão contra-atacou e imediatamente houve uma reunião do Conselho de Segurança e condenações muito fortes por parte da comunidade internacional, que dá a Israel todo o direito à auto-defesa. É mais um logro, se seguirmos o direito internacional.

Contraataque do Irão sobre Israel
Contraataque do Irão sobre IsraelTomer Neuberg/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

Israel não pode defender-se?

Uma potência ocupante não tem direito à auto-defesa porque é uma potência ocupante. O direito à auto-defesa existe quando há uma agressão de um Estado livre e soberano contra outro. O agredido tem o direito à auto-defesa. É o caso do Irão. E não estou a advogar nada a favor do Irão. Estou a descrever o que aconteceu. O consulado faz parte do território e da soberania de um país. Atacar uma sede diplomática é atacar a soberania de um Estado independente e soberano. E, neste caso, o direito à auto-defesa pode ser aplicado. Os nossos amigos europeus e os americanos entendem o direito à auto-defesa como exclusivo de Israel".

Podemos estar a viver uma guerra mundial
Husni Abdel Wahed
Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha

Estamos à beira da Terceira Guerra Mundial?

É possível que já estejamos a viver uma guerra mundial. Temos de ter em conta que estamos a viver numa época diferente das guerras anteriores. Mas se considerarmos o que está a acontecer na Ucrânia, na Palestina, no Irão e mesmo noutros locais como Taiwan ou a China, podemos dizer que podemos estar numa guerra mundial.

Não é possível evitá-la?

Alguns atores querem que esta guerra mundial aconteça. Pode haver uma escalada devido à desorientação da política dos EUA e, infelizmente, dos seus aliados europeus que não encorajam uma saída.

Está a dizer que os Estados Unidos e os seus aliados europeus estariam a pressionar para a Terceira Guerra Mundial?

Não sei se o estão a fazer conscientemente, mas o facto de alinharem com um homem corrupto está a arrastá-los para posições que, talvez inconscientemente, os conduzem a lugares indesejáveis. Não julgamos as intenções de ninguém. Julgamos os factos e os factos indicam que estamos perante uma situação extremamente delicada e que pode eclodir um conflito de grandes proporções.

Espanha deu provas de grande iniciativa, gestão e liderança.
Husni Abdel Wahed
Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, propôs uma solução de dois Estados. Teve oportunidade de falar com ele e considera que é uma solução possível?

Sim, tive a honra de me encontrar com o Primeiro-Ministro Pedro Sánchez. Os líderes mundiais devem, tal como ele, atuar com base no direito internacional, nas convenções e nos direitos humanos. Outros atores internacionais estão a afastar-se destes princípios. Gostaria de salientar que a Espanha deu provas de grande iniciativa, gestão e liderança.

Liderança em que sentido?

Há vários países que seguiram o exemplo de Espanha e isso diz bem da liderança de Espanha. E também diz bem dos outros governos que partilham esta linha. Esperamos que esta posição se generalize para o bem da humanidade.

PUBLICIDADE
Husni Abdel Wahed, Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha.
Husni Abdel Wahed, Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha.Jesús Maturana / 'Euronews'

Sánchez propôs a abertura imediata de corredores humanitários, uma conferência internacional de paz, um cessar-fogo imediato e uma solução de dois Estados. Considera que estas quatro propostas são suficientes e resolveriam o conflito?

Para começar, sim, é necessário exigir e aplicar um cessar-fogo imediato. Os corredores humanitários são urgentes. Alguns países estão satisfeitos com anúncios. Estou a referir-me aos Estados Unidos. Quando exigiu, há duas semanas, a abertura de outros postos fronteiriços, Israel anunciou que o faria e Washington ficou satisfeito. Mas isso não foi posto em prática e tudo não passou de um anúncio. Quanto à solução dos dois Estados, há que dizer que não se trata de uma exigência palestiniana, porque foi um projeto político dos EUA que o mundo abraçou. E a Palestina também o aceitou, embora falar de dois Estados seja um logro.

Pedro Sánchez, Primeiro-Ministro espanhol, com o Primeiro-Ministro irlandês, durante a sua digressão para reunir apoio para o reconhecimento do Estado palestiniano.
Pedro Sánchez, Primeiro-Ministro espanhol, com o Primeiro-Ministro irlandês, durante a sua digressão para reunir apoio para o reconhecimento do Estado palestiniano.Brian Lawless/AP

Por que razão considera que é um logro?

Porque falar de dois Estados é colocar as duas partes em pé de igualdade. E se o mundo é a favor de uma solução de dois Estados, tem de tratar as duas partes em pé de igualdade. Aqueles que defendem a existência de Israel têm de defender a existência da Palestina e fornecer os instrumentos para implementar a chamada "solução de dois Estados".

Conseguiu falar com o embaixador israelita em Espanha?

PUBLICIDADE

Não. Não temos nada a partilhar.

Israel tem cometido crimes de guerra ao longo da sua história
Husni Abdel Wahed
Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha

É a favor da denúncia de Netanyahu perante o Tribunal Penal Internacional?

Não só Netanyahu, mas todo o Estado de Israel. Cometeram crimes de guerra. É preciso lembrar que, desde 2016, a Palestina apresentou uma queixa ao Tribunal Penal Internacional por possíveis crimes de guerra. Após um longo período de investigação, o Tribunal Penal Internacional anunciou que tinha jurisdição e autoridade para abrir um processo. Mas, infelizmente, esse instrumento parece ter sido criado apenas para julgar líderes do terceiro mundo.... Porque Trump, em 2018, aplicou sanções aos procuradores e juízes do Tribunal Penal Internacional por terem admitido o caso para acusação. Israel cometeu crimes de guerra ao longo da sua história e sempre agiu com impunidade porque tem o apoio, a proteção e a blindagem dos Estados Unidos, da Alemanha, da Grã-Bretanha e de outros países.

É crítico em relação a alguns países europeus. Josep Borrell, o chefe da diplomacia da UE, propôs um plano para alcançar a paz, o que pensa?

Sim, sou crítico e isso não deve ser interpretado como algo ofensivo, porque ninguém é perfeito e não temos de ter todos as mesmas ideias. Temos realidades diferentes e opiniões diferentes e é lógico que pensemos de forma diferente. Infelizmente, no Ocidente, prevalece uma forma de pensar e parece que toda a gente tem de a seguir. Quanto às políticas dos países europeus, é inconcebível que um país que fez o que fez durante a Segunda Guerra Mundial mantenha quase a mesma linha de racismo e discriminação, mas em relação a outro povo.

PUBLICIDADE

Está a falar da Alemanha?

Sim.

Acha que a Alemanha está a agir agora como agiu durante a Segunda Guerra Mundial?

Não necessariamente da mesma forma, mas no essencial está a discriminar o povo palestiniano. No fim de semana passado, a Alemanha proibiu uma conferência de ativistas pró-palestinianos. Eles vangloriam-se de ser defensores dos direitos humanos, da liberdade de expressão, das liberdades individuais. Onde estão essas liberdades? Em vez disso, tudo o que é feito a favor de Israel é aplaudido, apoiado e encorajado. Isto é racismo.

Isto não acontece em toda a União Europeia?

PUBLICIDADE

A União Europeia é um conglomerado heterogéneo, onde existem diferentes componentes e atores e nem todos pensam da mesma forma. Compreendemos que o mecanismo de trabalho da União não é o mais eficaz, porque funciona com base no consenso. Isso, num conglomerado de 27 componentes, é difícil. Respeitamos os nossos vizinhos europeus e acreditamos que eles são os mais próximos geograficamente da nossa realidade e são os que podem ser mais prejudicados pela desestabilização da nossa região. Por isso, acreditamos que deve haver uma linha de diálogo e de comunicação, mas sem discriminações ou condições. Há pessoas que são verdadeiramente admiráveis por terem a coragem de dizer as coisas como elas são.

Josep Borrell, chefe da diplomacia europeia.
Josep Borrell, chefe da diplomacia europeia.Johanna Geron/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

A que pessoas se refere?

Josep Borrell, que teve o bom senso e a sabedoria, bem como o equilíbrio, para não se perder nesta azáfama, e espero que muitos sigam o exemplo deste homem sábio.

Passemos ao Conselho de Segurança da ONU. Demorou muito tempo, mas finalmente apelou a um cessar-fogo.

Os Estados Unidos e outros países ocidentais têm abusado do chamado "direito de veto" quando se trata de Israel. Israel tem um tratamento especial que outros países não têm e tem o privilégio de ter o poder de veto. Finalmente, a 25 de março, absteve-se sem vetar a resolução sobre o cessar-fogo, mas anunciou imediatamente que esta não era vinculativa. Isto está a dar luz verde a Israel para continuar o genocídio.

PUBLICIDADE
Chegar a um acordo exige vontade e pressão
Husni Abdel Wahed
Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha

O Hamas e Israel estão a negociar há semanas para tentar chegar a uma trégua. O que será necessário para chegarem a um acordo?

É preciso vontade e pressão para chegar a um acordo. Borrell disse há alguns meses, e com razão, que é necessário impor certas soluções. Não se pode negociar porque Israel anunciou repetidamente que não permitirá a existência de um Estado palestiniano. Se houver condições como essas desde o início, não podemos negociar.

Acredita que o Hamas cometeu atos terroristas em 7 de outubro?

Muitos acreditam que tudo começou a 7 de outubro, mas tudo começoumais de 75 anos e estes episódios têm-se repetido vezes sem conta. É necessária uma solução política que reconheça os direitos legítimos do povo palestiniano, sem a qual este episódio se repetirá uma e outra vez.

Reconhece que o Hamas comete atos terroristas?

PUBLICIDADE

Olhe, durante muito tempo a luta dos povos pela libertação nacional foi elogiada. Ninguém chamou "terrorista" à luta do povo vietnamita. Ou o povo argelino e a sua luta pela libertação nacional como "terrorismo". E assim por diante, poderia citar muitos e muitos exemplos. Simplesmente vivemos num mundo eurocêntrico onde se impõem conceitos e parâmetros. O que Israel faz é rotulado de "auto-defesa", quando na realidade é terrorismo. O que os palestinianos fazem é sistematicamente rotulado de "terrorismo".

Não é segredo que temos as nossas divergências com o Hamas, mas isso não significa que eles já não sejam palestinianos.
Husni Abdel Wahed
Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha

A Autoridade Nacional Palestiniana, que o senhor representa, poderia encetar conversações com o Hamas para tentar uma mediação?

Tanto a Autoridade Nacional Palestiniana como o Hamas fazem parte do povo palestiniano. Somos um povo heterogéneo, como todos os povos: multi-étnico, multi-cultural, multi-religioso. Entre nós, enquanto membros do mesmo povo, é normal que haja diálogo. Afinal de contas, eles são palestinianos, quer eu goste ou não da sua ideologia. Somos todos palestinianos e temos de procurar um terreno comum, especialmente tendo em conta que estamos sob ocupação. Um míssil israelita, quando atinge uma escola ou um hospital, não nos pergunta se somos militantes dessa fação, apenas mata palestinianos. É nossa obrigação manter um diálogo e tentar procurar políticas de consenso nacional que beneficiem o nosso povo. Não é segredo que temos as nossas divergências com o Hamas, mas isso não significa que eles tenham deixado de ser palestinianos.

Então, qual seria a sua solução para este conflito?

Com as reservas que tenho sobre o conceito de conflito, porque isto não é conflito, é colonialismo e ocupação, penso que devemos aceitar a chamada "solução de dois Estados". Mas dois Estados iguais, onde o povo palestiniano possa viver livremente e desenvolver-se com a sua própria identidade nacional, projetando-se no futuro, ocupando o seu lugar entre as nações e contribuindo de novo para a civilização humana, como tem feito ao longo da sua história.

PUBLICIDADE

Editor de vídeo • Juan Isidro Montero Garcia

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que o ataque do Irão a Israel poderá ter impacto nas mercadorias?

Vingança, geopolítica e ideologia: porque é que o Irão atacou Israel?

Reconhecimento do Estado palestiniano é apenas um "pequeno passo", dizem espanhóis