EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Meca: o apedrejamento do diabo marca o fim do Hajj e o início das celebrações do Eid al-Adha

Peregrinos muçulmanos atiram pedras a pilares no apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, perto da cidade de Meca, na Arábia Saudita, a 16 de junho de 2024
Peregrinos muçulmanos atiram pedras a pilares no apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, perto da cidade de Meca, na Arábia Saudita, a 16 de junho de 2024 Direitos de autor Rafiq Maqbool/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Rafiq Maqbool/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Daniel Bellamy com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

No domingo, milhares de peregrinos embarcaram na lapidação simbólica do diabo na Arábia Saudita, sob um calor de 47 graus Celsius. O fim do Hajj antecede o início das celerabções do Eid al-Adha de junho.

PUBLICIDADE

Milhares de peregrinos cumpriram o ritual do apedrejamento simbólico do demónio na Arábia Saudita, sob um calor abrasador de 47 graus. O ritual marca os últimos dias da Hajj, ou peregrinação islâmica, e o início das celebrações do Eid al-Adha para os muçulmanos de todo o mundo.

A lapidação faz parte dos ritos finais do Hajj, que é um dos cinco pilares do Islão. O apedrejamento teve lugar um dia depois de mais de 1,8 milhões de peregrinos se terem reunido numa colina sagrada, conhecida como Monte Ararat, nos arredores da cidade santa de Meca, que os peregrinos muçulmanos visitam para realizar os rituais anuais de cinco dias do Hajj.

Os peregrinos deixaram o Monte Arafat no sábado à noite para passar a noite num local próximo, conhecido como Muzdalifa, onde recolheram seixos para usar no apedrejamento simbólico de pilares que representam o diabo.

Peregrinos muçulmanos atiram pedras a pilares durante o apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, na Arábia Saudita, a 16 de junho de 2024.
Peregrinos muçulmanos atiram pedras a pilares durante o apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, na Arábia Saudita, a 16 de junho de 2024.AP

Os pilares encontram-se noutro local sagrado de Meca, chamado Mina, onde os muçulmanos acreditam que a fé de Ibrahim foi testada quando Deus lhe ordenou que sacrificasse o seu único filho Ismail. Ibrahim estava disposto a submeter-se à ordem, mas Deus deteve a sua mão, poupando o seu filho. Nas versões cristã e judaica da história, Abraão recebe ordens para matar o seu outro filho, Isaac.

No domingo de manhã, as multidões dirigiram-se a pé para as zonas de lapidação. Alguns foram vistos a empurrar peregrinos deficientes em cadeiras de rodas numa estrada com várias faixas que conduzia ao complexo onde se encontram os grandes pilares. A maioria dos peregrinos foi vista a suar e a levar guarda-chuvas para se protegerem do sol escaldante do verão.

Peregrinos muçulmanos chegam para atirar pedras a pilares no apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, na Arábia Saudita.
Peregrinos muçulmanos chegam para atirar pedras a pilares no apedrejamento simbólico do demónio, o último rito do hajj anual, em Mina, na Arábia Saudita.AP

Um repórter da Associated Press viu muitos peregrinos, especialmente entre os idosos, a desfalecerem na estrada que conduz aos pilares devido ao calor abrasador. As forças de segurança e os médicos foram destacados para ajudar, transportando os que desmaiavam em macas para ambulâncias ou hospitais de campanha. À medida que a temperatura aumentava ao meio-dia, mais pessoas precisavam de ajuda médica. De acordo com as autoridades meteorológicas sauditas, o calor atingiu 47º C em Meca e 46º C em Mina.

Apesar do calor sufocante, muitos peregrinos expressaram a sua alegria por terem conseguido concluir a sua peregrinação.

"Graças a Deus, (o processo) foi alegre e bom", disse Abdel-Moaty Abu Ghoneima, um peregrino egípcio. "Ninguém quer mais do que isto."

Muitos peregrinos passarão até três dias em Mina, cada um lançando sete pedras em três pilares, num ritual que simboliza a expulsão do mal e do pecado.

Enquanto estão em Mina, visitam Meca para efetuar o seu "tawaf", ou circumambulação, que consiste em dar sete voltas à Kaaba, na Grande Mesquita, no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. Depois, outra circumambulação, o Tawaf de despedida, marcará o fim do Hajj, quando os peregrinos se preparam para deixar a cidade santa.

Os ritos coincidem com os quatro dias do Eid al-Adha, que significa "Festa do Sacrifício", altura em que os muçulmanos com meios financeiros comentam a prova de fé de Ibrahim, abatendo gado e animais e distribuindo a carne pelos pobres.

A maioria dos países celebrou o Eid al-Adha no domingo. Outros, como a Indonésia, celebram-no na segunda-feira.

Uma vez terminada a Hajj, os homens devem rapar a cabeça e tirar as vestes brancas, semelhantes a mortalhas, usadas durante a peregrinação, e as mulheres devem cortar uma madeixa de cabelo, em sinal de renovação e renascimento.

A maioria dos peregrinos deixa então Meca e dirige-se à cidade de Medina, a cerca de 340 quilómetros de distância, para rezar no túmulo do Profeta Maomé, a Câmara Sagrada. O túmulo faz parte da mesquita do profeta, um dos três locais mais sagrados do Islão, juntamente com a Grande Mesquita de Meca e a Mesquita de Al Aqsa em Jerusalém.

Peregrinos muçulmanos circundam a Kaaba, o edifício cúbico da Grande Mesquita, durante a peregrinação anual do Hajj em Meca, na Arábia Saudita, no domingo.
Peregrinos muçulmanos circundam a Kaaba, o edifício cúbico da Grande Mesquita, durante a peregrinação anual do Hajj em Meca, na Arábia Saudita, no domingo.AP

Todos os muçulmanos são obrigados a efetuar a Hajj uma vez na vida, se forem física e financeiramente capazes de o fazer. Muitos muçulmanos abastados efetuam a peregrinação mais do que uma vez. Os rituais comemoram em grande parte os relatos do Profeta Ibrahim e do seu filho, o Profeta Ismail, da mãe de Ismail, Hajar, e do Profeta Maomé, de acordo com o Alcorão, o livro sagrado do Islão.

Mais de 1,83 milhões de muçulmanos realizaram o Hajj em 2024, disse o ministro saudita do Hajj e da Umrah, Tawfiq bin Fawzan al-Rabiah, num briefing, um pouco menos do que os números do ano passado, quando 1,84 milhões fizeram os rituais.

A maior parte dos rituais do Hajj são efetuados ao ar livre, com pouca ou nenhuma sombra. A peregrinação está marcada para a segunda semana de Dhu al-Hijjah, o último mês do calendário lunar islâmico, pelo que a altura do ano em que se realiza varia. Este ano, a peregrinação realizou-se no verão escaldante da Arábia Saudita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 1300 peregrinos morreram durante o Hajj na Arábia Saudita

Pelo menos 19 mortos na peregrinação a Meca devido ao calor extremo

Milhares de muçulmanos iniciam a peregrinação oficial a Meca esta sexta-feira