Heathrow, Schiphol, Charles de Gaulle: Os aeroportos europeus estão entre os mais poluentes do mundo

Os aviões da British Airways estão estacionados no aeroporto de Heathrow, em Londres.
Os aviões da British Airways estão estacionados no aeroporto de Heathrow, em Londres. Direitos de autor AP Photo/Matt Dunham
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo estudo faz o balanço do impacto dos voos de passageiros e, pela primeira vez, do transporte aéreo de mercadorias em 1300 aeroportos de todo o mundo.

PUBLICIDADE

Um novo estudo revelou os impactos no clima e na qualidade do ar dos aeroportos mais poluentes do mundo.

O Airport Tracker 2024, produzido pelo grupo de reflexão ODI em parceria com a Transport & Environment, mede o impacto dos voos de passageiros e, pela primeira vez, da carga aérea.

O relatório concluiu que o Dubai International era, em geral, o aeroporto mais poluente, produzindo as mesmas emissões que cinco centrais de carvão só em 2019, o último ano para o qual existem dados disponíveis.

Na Europa, Frankfurt, Paris Charles de Gaulle e Amesterdão Schiphol estão todos classificados entre os 20 aeroportos com pior desempenho do mundo.

Londres foi a cidade mais afetada pela poluição atmosférica causada pela aviação. Os seus seis aeroportos geraram a mesma quantidade de poluição atmosférica que 3,23 milhões de automóveis, produzindo 27 milhões de toneladas de CO2, 8 900 toneladas de óxido de azoto (NOx) e 83 toneladas de partículas finas (PM2,5).

An Emirates Airbus A380 jumbo jet lands at Dubai International Airport in Dubai.
An Emirates Airbus A380 jumbo jet lands at Dubai International Airport in Dubai.AP Photo/Jon Gambrell

A nível mundial, a poluição atmosférica é o quarto maior fator de risco para a saúde humana, tendo matado 6,7 milhões de pessoas em 2019. Em 2018, a poluição atmosférica teve custos económicos associados de 166 mil milhões de libras (193 mil milhões de euros) para a economia europeia.

"Os níveis de ruído das aeronaves são continuamente excedidos e não existem normas da UE relativas às partículas ultrafinas, que constituem um grande perigo para a saúde", afirma Magdalena Heuwieser, assessora de imprensa da Stay Grounded.

"Devem ser tomadas de imediato algumas medidas essenciais para proteger a saúde dos trabalhadores e das comunidades que rodeiam os aeroportos - como a proibição de voos noturnos ou simples melhorias no combustível para aviões, de modo a que este tenha pelo menos as mesmas normas que o combustível para automóveis."

Alguns países europeus, como a França e a Espanha, estão a tentar encorajar os cidadãos a utilizar comboios em vez de aviões para viagens curtas.

Poluição nas imediações dos aeroportos está a aumentar de ano para ano

O Airport Tracker 2024 abrange as emissões de NOx e PM2,5 de 1300 aeroportos, atualizando a investigação publicada pela primeira vez em 2021.

No total, os 20 maiores aeroportos produziram juntos 231 milhões de toneladas de CO2 - tanto carbono quanto 58 fábricas a carvão. Também produziram a mesma quantidade de óxidos de azoto perigosos e PM2.5 que 31 milhões de automóveis de passageiros.

"A poluição em torno dos aeroportos está a aumentar de ano para ano. Afeta milhões de pessoas, que respiram as emissões tóxicas e, consequentemente, desenvolvem problemas de saúde, mas os responsáveis políticos estão a ignorar o problema", afirma Jo Dardenne, Diretor de Aviação da T&E.

"O crescimento exponencial do setor e dos aeroportos é incompatível com os seus objectivos climáticos, especialmente tendo em conta a lenta adoção de tecnologias limpas."

Planes are parked on the tarmac at Paris Charles de Gaulle airport, in Roissy, near Paris.
Planes are parked on the tarmac at Paris Charles de Gaulle airport, in Roissy, near Paris.AP Photo/Christophe Ena

Estudo destaca as lacunas na descarbonização da aviação

O estudo também põe em evidência os planos de descarbonização do setor da aviação. Em particular, o plano de recorrer a combustíveis de aviação sustentáveis (SAF) para reduzir as emissões.

Atualmente, os SAF representam apenas 0,1 por cento do combustível para aviões a jato consumido. Para uma descarbonização efetiva, a produção teria de aumentar das poucas centenas de milhões de litros atuais para mais de 400 mil milhões até 2050.

"Este estudo mostra as lacunas na descarbonização da aviação", afirma Shandelle Steadman, investigadora sénior do ODI.

"Os aeroportos não comunicam estas emissões e, muitas vezes, passam despercebidos, mas sem combater as emissões localizadas ao nível dos aeroportos, o impacto do sector no clima e na saúde só irá piorar, prejudicando a nossa saúde, os nossos meios de subsistência e o nosso clima".

Se o crescimento dos aeroportos se mantiver ao ritmo atual e a adoção de tecnologias limpas não acelerar, os críticos afirmam que as emissões irão aumentar, colocando em risco milhões de pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zara, H&M: gigantes europeus do retalho ligados à usurpação de terras e à desflorestação no Brasil

Acórdão histórico pode ligar as alterações climáticas aos direitos humanos

Março bate recorde mundial de temperatura pelo décimo mês consecutivo