Qualidade do ar na Europa melhorou, mas ainda não cumpre as diretrizes da OMS

Veículos circulam no anel de Paris durante um pico de poluição.
Veículos circulam no anel de Paris durante um pico de poluição. Direitos de autor AP Photo/Michel Euler, File
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Quase todos os europeus da zona estudada continuam a viver com níveis insalubres de poluição por pequenas partículas.

PUBLICIDADE

A qualidade do ar na Europa melhorou nos últimos 20 anos, de acordo com uma nova investigação.

Apesar disso, a maioria da população europeia continua a viver em zonas que excedem os níveis recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Uma equipa, liderada pelo Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal), estimou os níveis diários de poluição em mais de 1400 regiões de 35 países europeus - uma área com cerca de 543 milhões de pessoas - entre 2003 e 2019.

Os níveis globais de partículas em suspensão (PM2,5 e PM10) e de dióxido de azoto (NO2) diminuíram na maior parte da Europa nas últimas duas décadas.

Os níveis de poluição por grandes partículas (PM10) e de dióxido de azoto (NO2) foram os que mais diminuíram, tendo-se registado "melhorias significativas" na qualidade do ar na Europa após o seu declínio.

Poluição atmosférica continua a exceder as diretrizes da OMS

Os investigadores afirmam que, apesar da melhoria da qualidade do ar, muitas pessoas continuam a sentir a poluição atmosférica acima dos níveis recomendados pela OMS.

O estudo concluiu que 98% dos europeus ainda vivem em zonas com níveis insalubres de PM2,5. Mais de 250 000 mortes prematuras por ano na UE estão ligadas a esta poluição por partículas finas, que está associada a doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e diabetes.

Embora as mortes relacionadas com as partículas finas tenham diminuído 41% entre 2005 e 2021, a Agência Europeia do Ambiente afirma que os Estados-Membros devem continuar a reunir esforços para reduzir ainda mais os níveis.

80 por cento dos europeus vivem em zonas com níveis insalubres de PM10 e cerca de 86 por cento vivem em zonas com níveis insalubres de NO2.

Em fevereiro, a região da Lombardia, no norte de Itália, impôs severas medidas antismog
Em fevereiro, a região da Lombardia, no norte de Itália, impôs severas medidas antismogAP Photo/Luca Bruno

No sul da Europa, os níveis de ozono aumentaram 0,58%, mas diminuíram ou não registaram qualquer tendência específica no resto do continente.

"São necessários esforços específicos para combater os níveis de PM2,5 e de ozono e os dias pouco limpos associados, especialmente no contexto das ameaças crescentes das alterações climáticas na Europa", afirma Zhao-Yue Chen, investigador do ISGlobal e principal autor do estudo.

Onde se situam os locais mais poluídos da Europa?

Embora a poluição atmosférica tenha diminuído nos últimos 20 anos, continuam a existir pontos críticos em todo o continente.

Os níveis de poluição por partículas (PM2,5 e PM10) foram mais elevados no Norte de Itália e na Europa Oriental. O Norte de Itália, juntamente com algumas zonas da Europa Ocidental, como o sul do Reino Unido, a Bélgica e os Países Baixos, também registaram níveis elevados de NO2.

As reduções mais significativas dos níveis de PM2,5 e PM10 registaram-se na Europa Central, ao passo que, no caso do NO2, se verificaram nas zonas urbanas da Europa Ocidental.

"Ciclo nocivo" das alterações climáticas e da poluição atmosférica

Os investigadores afirmam que as alterações climáticas e a poluição atmosférica se alimentam mutuamente.

Temperaturas mais quentes e uma luz solar mais intensa estimulam a formação de ozono através de reacções químicas. Níveis mais elevados de ozono aceleram então os processos que formam novas partículas PM2.5.

As alterações climáticas também aumentam a probabilidade de incêndios florestais, que contribuem para níveis elevados de PM2,5 e de ozono.

"Esta interação complexa cria um ciclo prejudicial, salientando a necessidade urgente de abordar simultaneamente as alterações climáticas e a poluição atmosférica", afirma Joan Ballester Claramunt, investigador do ISGlobal e autor sénior do estudo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zara, H&M: gigantes europeus do retalho ligados à usurpação de terras e à desflorestação no Brasil

Acórdão histórico pode ligar as alterações climáticas aos direitos humanos

Março bate recorde mundial de temperatura pelo décimo mês consecutivo