EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

No sudoeste de França, pilotos ucranianos estão a aprender a pilotar aviões de combate

Um piloto ucraniano prepara um Alpha Jet para descolar, no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024.
Um piloto ucraniano prepara um Alpha Jet para descolar, no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024. Direitos de autor Alice Tidey/Euronews
Direitos de autor Alice Tidey/Euronews
De  Alice Tidey
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Dez pilotos ucranianos com idades entre os 21 e os 23 anos estão a receber um curso intensivo de pilotagem de aviões de guerra.

PUBLICIDADE

"Estão no portão, prestes a atravessar a linha inimiga, desçam para menos de 500 pés", diz um dos dois instrutores da Força Aérea francesa.

Imediatamente, uma representação em 3D dos campos, florestas e aldeias do interior de França, em vários ecrãs à sua frente, torna-se mais nítida. Pouco menos de quinze minutos depois, dão a ordem ao soldado ucraniano, num simulador de caça, na sala adjacente, para lançar a bomba e bombardear o seu alvo.

A missão dele, planeada ao início da manhã com base em vários mapas, imagens de satélite, previsões meteorológicas e dados inventados sobre o local onde o equipamento inimigo teria sido visto pela última vez, era atingir um depósito de munições russo.

Não existe tal coisa em França, mas os palácios são muitos e, por isso, um deles foi transformado no bode expiatório de hoje.

Outro dos dez camaradas do soldado, que também está a receber treino de piloto na base do sudoeste francês, tem a mesma missão falsa, mas é levado para os céus a bordo de um avião de guerra verdadeiro.

Ainda bem que o primeiro soldado não foi para o ar. Quando atravessou o "portão", estava três minutos atrasado - uma diferença enorme, tendo em conta que o tempo permitido é de mais ou menos 10 segundos - e a sua aproximação e bombardeamento do alvo não estavam à altura.

"Vamos parar", diz o instrutor, cujo nome não é revelado por razões de segurança. "Voltamos atrás um minuto e fazemo-lo de novo".

Dois instrutores da Força Aérea Francesa supervisionam uma sessão de treino para um piloto ucraniano num simulador, no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024.
Dois instrutores da Força Aérea Francesa supervisionam uma sessão de treino para um piloto ucraniano num simulador, no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024.Alice Tidey/Euronews

Um programa de formação em três fases

O presidente ucraniano, Volodymyr Zekenskyy, começou a pedir aos aliados que doassem aviões de guerra e dessem formação de pilotos aos seus exércitos poucos dias depois de a Rússia ter lançado a invasão do território de Kiev, no final de fevereiro de 2022.

Mas os 10 pilotos ucranianos atualmente em França são os primeiros a receber uma formação de seis meses no país. Antes disso, estiveram no Reino Unido e, depois, irão provavelmente para a Roménia para a terceira e última fase do treino.

Durante os vários meses que passaram no Reino Unido, cada um passou cerca de 70 horas a pilotar um avião GROB-115, uma aeronave de aviação geral fácil de manusear com uma velocidade máxima de cerca de 220 km/h.

Em França, passaram para um avião Alpha Jet, um jato de ataque ligeiro e para treino avnaçado, com uma velocidade máxima superior a 900 km/h, que pilotarão durante cerca de 80 horas no ar e mais 60 horas num simulador. Na Roménia, podem esperar pilotar F-16s - o caça supersónico de fabrico americano com uma velocidade máxima de 2.100 km/h - durante 60 horas.

Depois, regressam a casa, onde se espera que as suas competências recém-adquiridas possam ajudar a virar a guerra a favor da Ucrânia.

Mentalidade ocidental versus mentalidade soviética

O local exato do treino e a identidade dos instrutores são mantidos em segredo porque "temos avisos muito reais e muito claros sobre pessoas que estão a tentar obter informações ou tomar medidas fortes contra este treino", disse o coronel Yann Malard, diretor dos Assuntos Públicos da Força Aérea e Espacial Francesa, aos jornalistas durante uma viagem de observação de um dia para os meios de comunicação social na semana passada.

A Euronews não foi autorizada a falar com nenhum dos soldados ucranianos, mas "eles são muito recetivos e motivados", sublinhou à Euronews o coronel comandante de uma base da força aérea francesa, acrescentando que "vêem muito bem as vantagens de o fazer".

Isto inclui aprender a preparar a sua missão, a dar instruções, a navegar com ou sem GPS, incluindo a altitudes muito baixas, a largar bombas e a voar em formação, sendo esta última um princípio fundamental do Ocidente.

PUBLICIDADE

Uma das principais tarefas dos formadores franceses - que incluem instrutores no ativo, os chamados "subscritores" ou antigos pilotos agora no Estado-maior, bem como reservistas - é efetivamente substituir quaisquer ensinamentos de estilo soviético que estes jovens pilotos possam ter recebido pelo modus operandi ocidental.

"A forma como os ucranianos foram treinados e a forma como as missões são conduzidas no lado ocidental é radicalmente diferente. No lado ocidental, os pilotos têm uma grande autonomia para tomar decisões e cumprir a sua missão", disse o coronel comandante à Euronews.

"No mundo russo, o piloto é mais um executor de alguém em terra, que está à frente de um radar e que lhe pode dizer 'vai para a direita, vai para a esquerda' (...) e isso é uma mudança bastante radical. E quando se está habituado a fazer as coisas de uma forma diferente, bem, é um verdadeiro desafio", acrescentou.

Mapas e imagens de satélite usadas pelos formandos ucranianos para as missões na base aérea no sul de França
Mapas e imagens de satélite usadas pelos formandos ucranianos para as missões na base aérea no sul de FrançaAlice Tidey/Euronews

Poderão não passar os portões

Se a Força Aérea Ucraniana acabará por manter estes modi operandi é outra questão e, como este é o programa de treino inaugural, ainda não há feedback dos ucranianos.

PUBLICIDADE

"Não é necessariamente tático e eles podem não ultrapassar os portões sobrevoando território ocupado", disse à Euronews o tenente-coronel François, responsável pela formação.

O Estado-maior ucraniano pode, por exemplo, decidir que o custo de perder um equipamento tão dispendioso e escasso é demasiado elevado. A Euronews contactou o Comando da Força Aérea ucraniana, mas não obteve resposta até à data da publicação deste artigo.

De acordo com o blogue Oryx, que regista as perdas no campo de batalha através da verificação de documentação visual, Moscovo destruiu 75 aviões ucranianos e danificou outros dois desde o início da sua invasão em grande escala. Isto constitui uma grande parte dos cerca de 100 caças MiG-29, Su-24 e Su-25 de fabrico soviético que o país possuía antes de a Rússia lançar o seu ataque não provocado.

Entretanto, Kiev já abateu com sucesso 92 aviões de combate russos e danificou mais quatro.

PUBLICIDADE

"Mas ensinamos-lhes isso porque é interessante do ponto de vista pedagógico", acrescentou o tenente-coronel. Isto inclui o tiro, que em breve irão praticar vezes sem conta com munições de calibre 30 mm num local dedicado para que, se alguma vez forem enviados numa missão para neutralizar um alvo inimigo, estejam mentalmente preparados.

"(O avião) vibra por todo o lado quando disparamos, por isso não ficarão surpreendidos. E já terão passado pela experiência psicológica de ver alguma coisa a sair do avião", disse ainda.

Um piloto ucraniano participa numa sessão de treino em simulador no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024.
Um piloto ucraniano participa numa sessão de treino em simulador no sudoeste de França, a 14 de junho de 2024.Alice Tidey/Euronews

Aviões de guerra franceses a caminho da Ucrânia

A Polónia e a Eslováquia já ajudaram a reabastecer o arsenal de aviões de guerra da Ucrânia, doando vários aviões MiG-29. A Bélgica, a Dinamarca, os Países Baixos, a Noruega e agora a França comprometeram-se a enviar aviões de guerra ocidentais, F-16 os primeiros quatro e Mirages 2000-5 os últimos.

O anúncio francês foi feito pelo presidente Emmanuel Macron no início deste mês , após as comemorações do Dia D na Normandia, com a presença de Zelenskyy, mas ainda não se sabe quantos aviões serão cedidos.

PUBLICIDADE

A França tem 26 Mirages 2000-5, que têm uma velocidade máxima de cerca de 2.300 km/h e que utiliza principalmente numa capacidade defensiva, para policiar os seus céus e os dos seus aliados. Mas Macron disse que seria criada uma "coligação internacional" de doadores - apenas oito outros países (Brasil, Egipto, Grécia, Índia, Peru, Qatar, Taiwan, Emirados Árabes Unidos) têm este modelo.

Uma fonte da Força Aérea Francesa confirmou que o treino e a entrega dos Mirage 2000-5 ainda não foram agendados, mas que as conversações entre a França e a Ucrânia estão em curso.

Para a França, que tem poucos Mirage 2000-5, a doação obrigará a uma reorganização da sua frota, uma vez que os seus Mirage estão todos destacados e terão de ser substituídos em esquadrilhas, muito provavelmente por Rafales mais modernos.

Mas enquanto a França os utiliza há décadas numa capacidade puramente defensiva, a Ucrânia poderia, em teoria, utilizá-los de uma forma mais letal.

PUBLICIDADE

"Hoje, de facto, existem soluções de hardware e software que permitem a sua transformação em capacidade de ataque terrestre", disse a mesma fonte. "Em termos práticos, isso demoraria algumas semanas ou meses".

A França, que possui outros aviões de guerra, incluindo o Rafale, tinha decidido não seguir essa via e confinar o Mirage 2000-5 apenas à defesa, "mas hoje, como parte da transferência para a Ucrânia, esta é de facto uma opção".

"Não quer dizer que venha a acontecer, mas as discussões estão a decorrer".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desde o combate em trincheiras até ao disparo de morteiros. Eis o que as tropas europeias ensinam aos ucranianos

Maré vermelha em Madrid para receber os campeões europeus

França: coligação de esquerda vai finalmente chegar a acordo sobre um primeiro-ministro?