EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Os cientistas acreditam que os buracos negros estão muito mais perto da Terra do que se pensava

Os buracos negros são alguns dos objectos mais poderosos e misteriosos do universo conhecido
Os buracos negros são alguns dos objectos mais poderosos e misteriosos do universo conhecido Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Pensava-se que o buraco negro mais próximo da Terra se encontrava a 1.560 anos-luz de distância, mas um novo estudo sugere que poderá existir um a cerca de 150 anos-luz de distância.

PUBLICIDADE

Os buracos negros são alguns dos objetos mais poderosos e misteriosos do universo conhecido - e poderá haver um muito mais próximo da Terra do que se pensava.

Um estudo encontrou possíveis indícios da existência de um buraco negro no aglomerado aberto de estrelas mais próximo da Terra, o chamado aglomerado das Híades.

Os dados da missão Gaia da Agência Espacial Europeia (ESA) revelaram os buracos negros mais próximos conhecidos  em 2022, - Gaia BH1 e Gaia BH2 - que se encontram a 1 560 anos-luz e 3 800 anos-luz da Terra, respetivamente.

No entanto,um novo artigo, publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, sugere que poderão existir buracos negros muito mais perto de casa, a uma distância de apenas 150 anos-luz.

Cientistas da Universidade de Pádua, em Itália, e da Universidade de Barcelona, em Espanha, utilizaram simulações para seguir o movimento e a evolução de todas as estrelas do aglomerado aberto das Híades, que se encontram a cerca de 150 anos-luz de distância.

Buracos negros no aglomerado das Híades ou perto dele

Um aglomerado aberto é um conjunto de centenas ou milhares de estrelas que se mantêm frouxamente unidas pela sua força gravitacional e que partilham determinadas características, como a idade ou a composição química.

Os resultados da simulação foram comparados com as posições e velocidades reais das estrelas das Híades, que são agora conhecidas com precisão a partir de observações efetuadas pelo satélite Gaia da ESA.

"As nossas simulações só podem corresponder simultaneamente à massa e ao tamanho das Híades se alguns buracos negros estiverem presentes no centro do aglomerado atualmente (ou até recentemente)", disse Stefano Torniamenti, investigador de pós-doutoramento na Universidade de Pádua e primeiro autor do artigo.

As propriedades atuais do aglomerado das Híades foram melhor reproduzidas quando havia dois ou três buracos negros incluídos nas simulações, embora os investigadores também tenham afirmado que as simulações que incluíam buracos negros que tinham sido "ejetados" do aglomerado ainda davam uma boa correspondência.

Os resultados indicam que ainda existem buracos negros no enxame, ou muito próximos, o que os tornaria de longe os candidatos a buracos negros mais próximos do nosso sistema solar.

"Esta observação ajuda-nos a compreender como a presença de buracos negros afeta a evolução dos enxames estelares e como estes, por sua vez, contribuem para as fontes de ondas gravitacionais", disse Mark Gieles, membro do Departamento de Física Quântica da Universidade de Barcelona.

"Estes resultados também nos dão uma ideia de como estes objetos misteriosos estão distribuídos pela galáxia".

O que é um buraco negro?

Pensa-se que a maioria dos buracos negros se forma a partir de estrelas maciças que sofreram uma explosão de supernova.

A massa da estrela colapsa sobre si própria, apertando-se numa área cada vez mais restrita, até se tornar um objeto tão denso que nem a luz consegue escapar à sua força gravitacional.

Uma vez que os buracos negros não podem ser observados diretamente com a tecnologia atual, a sua presença é geralmente inferida através do estudo do seu efeito sobre outra matéria próxima. Por exemplo, se uma estrela negra despedaçar uma estrela que passa, este processo irá criar raios X que são disparados para o espaço e que podemos detetar.

A investigação sobre os buracos negros aumentou após a deteção de ondas gravitacionais em 2015, atribuídas à colisão de dois buracos negros a 1,3 mil milhões de anos-luz de distância.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Devemos temer uma nova vaga de Covid-19 no outono/inverno?

Campo magnético do Sol pode ter origem perto da superfície, dizem especialistas

Um meteoro ou meteorito? O que iluminou os céus de Portugal e Espanha?