EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Política da UE. Relatório Meta: eleições europeias praticamente a salvo de interferências estrangeiras online

O Facebook não registou um aumento da desinformação sobre as eleições europeias.
O Facebook não registou um aumento da desinformação sobre as eleições europeias. Direitos de autor Sean Kilpatrick/AP2009
Direitos de autor Sean Kilpatrick/AP2009
De  Cynthia Kroet
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Em vez disso, houve tentativas de influenciar os votos locais, acrescenta o relatório.

PUBLICIDADE

As tentativas maliciosas de influenciar os utilizadores nas plataformas da Meta centraram-se sobretudo nas eleições locais e não nas próximas eleições europeias, segundo um relatório de ameaças publicado pela Meta na quarta-feira.

"Embora tenhamos visto o discurso público antes das eleições parlamentares da UE centrar-se principalmente em ameaças estrangeiras, a maioria do comportamento inautêntico centrado na UE que interrompemos até agora tem sido de natureza doméstica", refere o documento na atualização intercalar do cenário global de ameaças.

A maior parte das tentativas de propagação de notícias falsas foram feitas contra cidadãos dos Estados-Membros e estavam ligadas a indivíduos associados a campanhas ou candidatos locais. Algumas das táticas utilizadas incluíam a amplificação não autêntica de contas ou páginas de políticos nacionais através de gostos, partilhas e comentários para que parecessem mais populares do que eram. No entanto, a Meta - que detém o Facebook e o Instagram - não viu qualquer indício de que estes grupos estivessem a ganhar força entre os utilizadores.

"No que diz respeito às ameaças externas, as tentativas que vimos até agora concentraram-se principalmente em minar o apoio à Ucrânia entre os Estados-Membros da UE, em vez de visarem diretamente as eleições parlamentares da UE", disse David Agranovich, diretor do departamento de ameaças globais da Meta, numa conferência de imprensa. Além disso, a Meta não viu qualquer prova de que as novas ferramentas de Inteligência Artifical (IA) generativa estejam a ganhar mais força.

O relatório também analisou uma operação de influência secreta de longa data da Rússia, conhecida como Doppelganger, que envolve uma grande rede de sites que falsificam veículos de notícias legítimos, e parece ter diminuído significativamente seu impacto.

A Meta notou uma grande mudança nas táticas desta operação na sua plataforma depois de duas empresas russas ligadas à operação terem sido sancionadas pela UE em 2023 e pelo Departamento do Tesouro dos EUA em 2024.

"Há uma grande mudança nas táticas, já não se ligam a sites falsos e já não comentam ligações noutras publicações", disse Agranovich.

Eleições europeias

Em fevereiro, a Meta anunciou a criação de um "centro de operações" específico para combater a desinformação. Nos termos da Lei dos Serviços Digitais (DSA) da UE, as plataformas em linha com mais de 45 milhões de utilizadores médios mensais, incluindo o Facebook e o TikTok, são obrigadas a tomar medidas contra a desinformação e a manipulação eleitoral.

O centro da Meta vai reunir peritos internos para identificar potenciais ameaças e implementar medidas específicas de mitigação em aplicações e tecnologias em tempo real, de acordo com uma declaração do diretor de assuntos europeus da empresa, Marco Pancini.

Numa análise da Euronews publicada ontem sobre as despesas eleitorais, a Meta, proprietária da rede social Facebook, vê a maior parte das despesas em anúncios de partidos de extrema-direita da Hungria e da Bélgica.

Seguem-se os liberais alemães do FDP - cujo post sobre o programa de educação Erasmus+ da UE obteve mais de um milhão de visualizações - e o centro-direita italiano Forza Italia.

As regras da UE acordadas em fevereiro proíbem as despesas pré-eleitorais no estrangeiro e, em princípio, os anúncios de campanha não devem ser direccionados com base em opiniões políticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Facebook e Instagram alvo de novas investigações da Comissão Europeia

YouTube e X não atuaram contra a desinformação antes da votação na UE, diz relatório

Apple revela novas funcionalidades de inteligência artificial e acordo com a OpenAI