Restrições, aumento dos preços e prisão: Como é que a Tunísia está a lutar contra 5 anos de seca?

Os tunisinos estão na linha da frente da batalha contra uma seca cada vez mais grave.
Os tunisinos estão na linha da frente da batalha contra uma seca cada vez mais grave. Direitos de autor AP Photo/Hassene Dridi
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os estabelecimentos turísticos e os consumidores excessivos serão os mais afetados pelo aumento dos preços.

PUBLICIDADE

O custo da água potável na Tunísia aumentou até 16%, numa altura em que o país luta contra cinco anos de seca grave.

O jornal oficial do país descreveu que o aumento terá maior impacto nas instalações turísticas e nas pessoas que consomem mais água.

Os preços manter-se-ão inalterados para os pequenos consumidores domésticos.

Os que consomem mais de 40 metros cúbicos registarão um aumento de 12% e os que consomem entre 70 e 100 metros cúbicos pagarão mais 13,7%.

O aumento mais elevado, de 16%, será para as instalações turísticas e para quem consome mais de 150 metros cúbicos de água.

A decisão de aumentar os preços surgiu numa altura em que a Tunísia registou a primeira precipitação significativa desde há muito tempo. Os funcionários do governo disseram esta semana que as barragens do país tinham atingido 35% da sua capacidade no final de fevereiro.

Apesar da ligeira melhoria em relação ao ano passado, os especialistas dizem que a precipitação recente não foi suficiente para compensar a atual escassez de água. O Ministério da Agricultura, Recursos Hídricos e Pescas afirmou que o país precisa de se manter vigilante, especialmente à medida que os anos de seca se tornam mais frequentes.

A Tunísia é vulnerável às alterações climáticas

A Tunísia é particularmente vulnerável às alterações da precipitação, uma vez que depende da captação de águas superficiais para grande parte do seu abastecimento. À semelhança de muitos países em torno do Mar Mediterrâneo, as alterações climáticas têm trazido secas recorrentes após verões abrasadores, baixa precipitação e invernos amenos.

O Médio Oriente e o Norte de África são uma das regiões globais mais afetadas no que diz respeito ao stress hídrico, com 83% das pessoas expostas a níveis extremamente elevados, de acordo com uma investigação do World Resources Institute. Prevê-se que este número aumente para 100 por cento até 2050.

Restrições de água, multas pesadas e penas de prisão

Em março passado, a Tunísia introduziu um sistema de quotas para a água potável, na esperança de reduzir o consumo excessivo. Desde o verão passado, a empresa pública de distribuição de água Sonede tem vindo a cortar o abastecimento durante a noite.

A utilização de água potável na agricultura foi proibida. Anteriormente, os agricultores representavam cerca de três quartos do consumo de água do país, mas no ano passado registou-se um declínio na produção agrícola, uma vez que a produção de cereais diminuiu 60%.

É igualmente proibido utilizar água potável para lavar automóveis, limpar ruas ou locais públicos e regar zonas verdes. Quem infringir estas restrições incorre em sanções que vão desde multas a penas de prisão até seis meses.

Poderá a dessalinização e as águas residuais ser a solução?

A Tunísia está a procurar a dessalinização como parte da solução para as suas atuais preocupações com a água. Atualmente, cerca de 16 centrais fornecem 6% das suas reservas de água doce. Até 2030, o país está a tentar que 30% das suas necessidades de água sejam satisfeitas através da dessalinização.

Tal como muitos outros países, incluindo a Espanha, as águas residuais são outra opção que a Tunísia está a considerar. Embora a água parcialmente purificada e malcheirosa seja frequentemente utilizada pelos agricultores, uma nova fábrica inaugurada em maio último em Siliana, no noroeste do país, consegue filtrar 95% das impurezas.

Como o país enfrenta a possibilidade de que o pior esteja para vir no futuro, está a voltar-se para estas fontes de água alternativas, num esforço para mitigar os impactos das alterações climáticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zara, H&M: gigantes europeus do retalho ligados à usurpação de terras e à desflorestação no Brasil

Acórdão histórico pode ligar as alterações climáticas aos direitos humanos

Março bate recorde mundial de temperatura pelo décimo mês consecutivo