EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Segurança nuclear e alimentar na agenda do segundo dia da cimeira de paz na Ucrânia

Cimeira da Paz para a Ucrânia
Cimeira da Paz para a Ucrânia Direitos de autor Laurent Cipriani/Copyright 2024. The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Laurent Cipriani/Copyright 2024. The AP. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os grupos de trabalho de mais de 90 países, incluindo Portugal, deverão debater a segurança nuclear, a segurança alimentar e a assistência humanitária no segundo dia de uma cimeira internacional de dois dias sobre a Ucrânia.

PUBLICIDADE

Mais de 90 países, com representantes de organismos internacionais, participam na cimeira na estância de Bürgenstock, no centro da Suíça. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse que “a história está a ser feita", neste encontro que tem como objetivo traçar os primeiros passos para a paz, apesar de os peritos e os críticos não esperarem grandes avanços, uma vez que a Rússia não está presente.

A segurança nuclear tem sido uma preocupação dos líderes europeus desde os primeiros dias da invasão russa. As forças russas tomaram o controlo da central nuclear de Zaporizhzhia em março de 2022 e continuam a ocupar o local até hoje.

É a maior instalação nuclear da Europa e, antes da guerra, fornecia 30% da eletricidade da Ucrânia, mas deixou de gerar energia para a rede nacional desde setembro de 2022.

Mas os combates intermitentes em torno da central continuam, com o chefe da Agência Internacional de Energia Atómica, Rafael Grossi, a avisar em abril que um acidente estava perigosamente próximo.

A AIEA tem tido uma equipa rotativa de inspetores no local desde o final de 2022 e Grossi advertiu que estes "ataques imprudentes devem cessar imediatamente".

Grossi disse também que "dois anos de guerra estão a pesar muito na segurança da central nuclear de Zaporizhzhia" e que "cada um dos sete pilares da segurança nuclear da AIEA foi comprometido".

Em fevereiro de 2022, as forças russas também tomaram o controlo da central nuclear de Chernobyl - o local de um desastre nuclear catastrófico em 1986 - mas abandonaram o local em março.

Segurança alimentar

Em fevereiro, o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais afirmou que "a invasão russa da Ucrânia causou o maior aumento da insegurança alimentar global relacionado com o exército em pelo menos um século".

A Ucrânia tem sido apelidada "celeiro da Europa" e os seus solos férteis colocam-na entre os três maiores exportadores de cereais do mundo, mas as linhas de abastecimento foram fortemente afetadas.

A Rússia tem visado frequentemente o setor agrícola ucraniano, incluindo ataques a infraestruturas de produção, terras agrícolas, campos e armazéns.

A ocupação da península da Crimeia pela Rússia e a sua frota do Mar Negro, que aí se encontra baseada, também afetaram as rotas de abastecimento por mar através do Bósforo e para o Mediterrâneo.

Em julho de 2022, a Turquia e as Nações Unidas negociaram um acordo entre a Rússia e a Ucrânia que permitiu a exportação segura de cereais ucranianos via três portos do Mar Negro. Foram exportados quase 33 milhões de toneladas de cereais ao abrigo do acordo, mas a Rússia retirou-se em julho do ano passado, alegando insatisfação com as condições que regiam as suas próprias exportações, e o acordo foi anulado.

No ano passado, a Ucrânia tornou-se o país mais minado do mundo, com munições escondidas a afetar a produtividade agrícola.

Em março do ano passado, a União Europeia, a Escola de Economia de Kiev, as Nações Unidas e o Banco Mundial estimaram que o custo total das perdas e danos no setor agrícola da Ucrânia ascendia a 40,2 milhões de dólares (37,5 mil milhões de euros).

"Está a fazer-se história”

Presidente da Suiça (esq.) e Zelenskyy na Cimeira da Paz
Presidente da Suiça (esq.) e Zelenskyy na Cimeira da PazMichael Buholzer/AP

No primeiro dia da cimeira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, previu que "está a ser feita história", no caminho para a obtenção da paz, mas os especialistas e os críticos não esperam avanços, uma vez que a Rússia não está presente.

PUBLICIDADE

Numa breve declaração aos jornalistas, ao lado da presidente suíça Viola Amherd, no início da cimeira, Zelenskyy considerou o encontro um sucesso: "Conseguimos trazer de volta ao mundo a ideia de que os esforços conjuntos podem acabar com a guerra e estabelecer uma paz justa".

Embora o seu país não tenha participado, Vladimir Putin deu na sexta-feira o raro passo de expor claramente as suas condições para acabar com a guerra. Mas as suas propostas não incluíam quaisquer novas exigências e Kiev classificou-as de "manipuladoras" e "absurdas".

Putin disse a diplomatas russos e legisladores seniores na sexta-feira que ordenaria "imediatamente" um cessar-fogo e iniciaria negociações se a Ucrânia desistisse da sua candidatura à NATO e começasse a retirar as tropas de quatro regiões que Moscovo anexou ilegalmente em 2022.

Apesar das exigências de Putin não serem um bom começo para a Ucrânia, Kiev não está atualmente em condições de negociar a partir de uma posição de força, dizem os analistas.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segurança máxima na Suíça na conferência de paz para a Ucrânia

Putin promete cessar-fogo se Ucrânia retirar das regiões ocupadas

Acordo de ajuda à Ucrânia dos líderes do G7 já é considerado “histórico”