EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Auscultadores que utilizam a IA para nos ajudar a ficar mais produtivos

These headphones are a brain-computer interface
These headphones are a brain-computer interface Direitos de autor Neurable
Direitos de autor Neurable
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Auriculares que podem dizer quando devemos fazer uma pausa poderão estar à venda no final deste ano. A Euronews Next experimentou um modelo na Vivatech, em Paris.

PUBLICIDADE

Biohacking tem sido uma palavra da moda há anos, um termo amplo que engloba técnicas que podem "hackear" a nossa biologia para melhorar as nossas vidas.

Num painel de discussão sobre ética e oportunidades de biohacking, na Vivatech deste ano em Paris, Gabriela Ramos, assistente da Direção-geral das Ciências Sociais e Humanas da UNESCO, definiu o biohacking como "conhecer sua própria biologia e fazer coisas para melhorá-la".

Exemplos de biohacking podem ser algo tão simples quanto beber café para aumentar a energia induzida pela cafeína ou usar relógios ou anéis inteligentes para monitorar a frequência cardíaca, a pressão arterial ou o sono. 

De acordo com Ramos, a indústria de biohacking vale atualmente quase 13 mil milhões de euros e cresce a  uma taxa de 20% ao ano.

Na Vivtech, na quarta-feira, foi exibido um dispositivo decorrente de biohacking: "neurohacking".

Este conceito refere-se especificamente a técnicas para hackear do cérebro e pode incluir coisas desde tomar suplementos para melhorar a função cerebral, a dispositivos neurais implantados cirurgicamente para tratar doenças.

Falando no mesmo painel de Gabriela Ramos, o Dr Ramses Alcaide, CEO da Neurable, anunciou que a sua empresa está a desenvolver auriculares que podem rastrear sinais cerebrais, detetando quando o utilizador está num estado de foco profundo ou quando está a perder o foco.

"Estes auscultadores têm bandas prateadas que são na verdade eléctrodos, e parecem tecidos macios," disse ao Euronews Next.

"Eles registam a atividade cerebral ao redor da orelha. E então, usando a nossa IA, podemos aumentar esse sinal para que possamos captar muitas das principais respostas do cérebro".

Ler as ondas cerebrais

Como o lobo frontal do cérebro é uma área associada ao foco, os auscultadores são capazes de detetar sinais relevantes, que o programa de inteligência artificial da Neurable é capaz de amplificar.

A Euronews Next teve a oportunidade de testar estes dispositivos e viu como os níveis de foco foram visualmente apresentados como aumentados quando nos concentrávamos ativamente em algo.

Ele apenas emite um pequeno toque no seu ouvido como, 'Olá, está na hora de fazer uma pausa', e você pode ignorá-lo se quiser, dependendo de onde você esteja e da sua tarefa ou trabalho.
Dr Ramses Alcaide
CEO, Neurable

A ideia é dar às pessoas um melhor conhecimento de seu próprio estado de foco e fadiga mental, o que ajudará os utilizadores a saber quando fazer uma pausa.

"Na verdade, acabamos de fazer um estudo na Clínica Mayo, onde vimos que, se pudermos fazer pausas na hora certa, conseguimos reduzir o stress no final do dia em 20% e aumentar a felicidade no final do dia em 70%", disse Alcaide.

Essa visão poderia ajudar a abordar a "enorme epidemia" de esgotamento por excesso de trabalho, acrescentou ele, ajudando as pessoas a entender quando fazer pausas ao longo do dia.

"O que verificámos, nos nossos dados é que fazer uma pausa de cinco minutos, num determinado momento, aumentará o foco nas quatro horas seguintes".

Ramses Alcaide diz que isto poderia ser especialmente importante para trabalhos como programação, onde a pesquisa mostrou que a codificação é muitas vezes melhor na primeira metade do dia, enquanto os erros começam a surgir ao longo do dia, à medida que os programadores vão ficando cognitivamente mais cansados. 

Interface cérebro-computador

Os auriculares ou auscultadores são um exemplo de uma Interface cérebro-computador (BCI em inglês) - comunicação direta entre a atividade cerebral e um computador ou dispositivo. São um tipo não-intrusivo de BCI, ao contrário daqueles que exigem a aplicação cirúrgica no cérebro.

PUBLICIDADE

Os dispositivos implantados cirurgicamente são muito mais poderosos e são usados para procedimentos médicos em casos graves.

Empresas como a Neuralink, fundada por Elon Musk, estão a desenvolver BCI's implantadas cirurgicamente que permitirão que as pessoas controlem um computador ou dispositivo móvel com o seu cérebro.

Dispositivos não intrusivos - aqueles que não requerem entrada cirúrgica - são menos poderosos, mas graças à IA e à aprendizagem da máquina, empresas como a Neurable são capazes de impulsionar suficientemente os sinais cerebrais para desenvolver dispositivos de uso.

"Por exemplo, com o nosso sistema atual, podemos fazer coisas como alterar faixas quando você está ouvindo música, bem como usá-lo para entender a saúde cognitiva", disse Ramses Alcaide. 

Há ainda muito medo

O espetro do que acontece se os dados do cérebro chegam às mãos erradas foi também discutido durante a palestra no palco da Vivatech.

PUBLICIDADE

Uma pergunta levantou preocupações sobre o que acontece se os empregadores obtiverem dados de funcionários e discriminarem aqueles que precisam de mais descanso cognitivo do que outros.

A regulamentação do BCI é mais pesada na Europa, o que, de acordo com Alcaide, significa que as empresas europeias que trabalham no desenvolvimento de BCI vão ter dificuldades para competir.

Isto vai permitir uma maior produtividade, mas não à custa das pessoas. Se alguma coisa acontecer é que as pessoas terão mais dinâmica no trabalho e será mais saudável no final e as pessoas terão menos stress.
Dr Ramses Alcaide
CEO, Neurable

"Vai levar mais tempo na Europa, onde há muito mais regulamentação", disse, considerando: "A maior parte é realmente desnecessária neste momento porque... é como, por exemplo, regular acelerómetros. Esse é o nível de informação que estamos recebendo do cérebro".

Gabriela Ramos, da UNESCO, defendeu governos e instituições que estão a ser acusadas de atrapalhar o progresso e a inovação no setor por serem muito duros com as regulamentações.

"É sempre preciso responsabilizar alguém quando as coisas não correm bem", argumentou. É o trabalho dos governos garantir que tecnologias potencialmente perigosas sejam desenvolvidas de maneira segura e responsáve"l.

PUBLICIDADE

Para Alcaide, os temores em torno do que as BCI podem fazer com o estado atual da tecnologia são infundados.

"Eu trabalhei com muitos grupos governamentais sobre regulação para interfaces de computadores cerebrais - e é muito do medo deles que se espalha". "Eles temem que alguns países usem a tecnologia para fazer pilotos de caça incríveis ou algo assim. Mas, a realidade é que estamos apenas a tentar chegar ao ponto em que alguém com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica) pode comunicar com um cuidador.

"E mesmo isso, ainda temos 20, antes que possa ser feito de forma eficaz, essencialmente".

Ramses Acaide argumenta que as autoridades devem adiar a regulamentação por enquanto, para permitir que a tecnologia se desenvolva. "Ainda há muita inovação que não queremos evitar, e ainda estamos muito longe de qualquer coisa relacionada à distopia", acrescentou.

Alcaide acredita que a tecnologia "vai realmente mudar a maneira como as pessoas se entendem", permitindo que as pessoas cuidem da sua saúde mental e dos seus cérebros.

PUBLICIDADE

A tecnologia da Neurable está a ser implantada em produtos de uma grande marca deausultadores antes de um lançamento ainda este ano.

Embora ele ainda não pudesse revelar a marca, disse que seria uma versão auricular do Apple Watch, permitindo que os usuários rastreiem a sua saúde cognitiva.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Está à procura de um artigo online de 2013? Pode ter desaparecido por culpa deste fenómeno

OpenAI suspende voz do ChatGPT que era "estranhamente parecida" com a da atriz Scarlett Johansson

Tribunal de Londres decide que Assange pode recorrer da ordem de extradição para os EUA