Mar Mediterrâneo bate recorde de temperatura: O que significa para o clima na Europa?

Jovens mergulham no mar Mediterrâneo durante um dia quente em Barcelona, Espanha, a 21 de julho de 2022.
Jovens mergulham no mar Mediterrâneo durante um dia quente em Barcelona, Espanha, a 21 de julho de 2022. Direitos de autor AP Photo/Francisco Seco
De  Daniel Harper
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As condições meteorológicas extremas na Europa poderão prolongar-se até ao outono, impulsionadas por temperaturas marítimas recorde.

PUBLICIDADE

Na segunda-feira, a temperatura da superfície do mar Mediterrâneo atingiu o valor mais elevado alguma vez registado, com mais de 28,71°C, batendo o anterior recorde de 28,25°C estabelecido em 2003.

Dados do Serviço de Monitorização das Ondas de Calor no Mediterrâneo confirmaram que a temperatura do mar tinha batido novos recordes na terça-feira.

As temperaturas mais elevadas da água significam que a vida marinha estará em risco, tal como aconteceu nas ondas de calor entre 2015 e 2019, quando 50 espécies, incluindo moluscos e corais, foram significativamente afetadas.

O impacto do aquecimento dos oceanos far-se-á sentir nos meses de outono e inverno, quando o Mar Mediterrâneo libertar o calor que está atualmente a reter, o que poderá potenciar as tempestades.

O calor sem precedentes libertado pelo mar poderá desencadear chuvas fortes, não só no sul da Europa, mas em grande parte do resto do continente, uma vez que o Mediterrâneo funciona como fonte de calor e humidade para grande parte da Europa.

Eventos climáticos extremos têm ocorrido em toda a Europa

Este verão tem-se assistido a fenómenos meteorológicos extremos em toda a Europa, desde incêndios florestais intensos e ondas de calor a inundações repentinas e tempestades de granizo.

Na semana passada, as tempestades de granizo no norte de Itália causaram pelo menos 110 feridos, uma vez que pedras de granizo do tamanho de bolas de ténis atingiram as pequenas cidades da Lombardia, no norte de Itália.

Enquanto no sul de Itália as temperaturas subiram acima dos 46ºC, alguns hospitais de Roma registaram um aumento de 20 a 25% no número de pessoas que deram entrada nas urgências devido a desidratação ou outras doenças relacionadas com o calor.

Na Croácia, uma vaga de calor semelhante matou seis pessoas. Na Grécia, os incêndios florestais arderam em várias ilhas, incluindo Corfu e Rodes, obrigando à evacuação de milhares de pessoas.

Em Espanha, registaram-se inundações repentinas na cidade de Saragoça, no nordeste do país, que causaram estragos nas ruas, enquanto a seca continua a dominar grande parte das regiões do leste e do sul de Espanha, como a Catalunha e a Andaluzia.

O que está a causar estes extremos climáticos?

A Itália foi particularmente atingida pelo chamado "chicote climático", agravado por vários fenómenos meteorológicos.

"O Norte de Itália está na fronteira entre duas massas de ar diferentes, ou correntes de jato", explica o Dr. Giulio Betti, meteorologista do Conselho Nacional de Investigação italiano, à Euronews Green.

"A do sul vem do deserto do Saara, que é muito seco e capaz de criar uma enorme quantidade de humidade. Ao mesmo tempo, o Norte da Europa é afetado por massas de ar frio e instável provenientes do Atlântico Norte. Esta mistura de diferentes massas de ar desencadeia tempestades excecionalmente fortes".

Grande parte do sul da Europa situa-se nesta zona entre as duas massas de ar ou correntes de jato, que se encontram no meio, onde se situa o centro-norte de Itália, criando alterações climáticas graves em comparação com as ondas de calor no sul do país.

Este conflito de correntes de jato também afeta as regiões fronteiriças, incluindo o norte de Espanha e os Balcãs, que também registaram condições meteorológicas extremas em comparação com o norte da Europa.

Embora estes sistemas meteorológicos, juntamente com o El Niño, estejam a exacerbar os extremos registados na Europa, a análise mostra uma ligação clara com as alterações climáticas causadas pelo homem.

O grupo World Weather Attribution concluiu que as recentes vagas de calor na Europa se tornaram pelo menos 950 vezes mais prováveis devido ao aquecimento global.

Vagas de calor demorarão mais tempo a passar no futuro

Devido ao fato do clima mais frio do Norte da Europa entrar em conflito com o calor crescente do Sul, é provável que, no futuro, se verifiquem condições meteorológicas mais extremas, agravadas pelas alterações climáticas provocadas pelo homem.

PUBLICIDADE

"Em todo o hemisfério norte, têm-se formado cúpulas de calor, como se viu no Mediterrâneo", disse um porta-voz do MET à Euronews Green. "Como a corrente de jato se deformou, permite que estas cúpulas de calor se acumulem e depois é incrivelmente difícil mover a cúpula para que outros sistemas meteorológicos a substituam".

A vaga de calor em Itália e em grande parte do sul da Europa e do norte de África dura há semanas, à medida que o anticiclone Cerberus atravessa o continente.

"Como vimos em toda a Europa e no Norte de África, uma vez estabelecidos estes sistemas, é incrivelmente difícil deslocá-los", acrescenta o porta-voz do MET Office.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estados Unidos pensam em "bloquear sol" para arrefecer Terra

Planeta Terra chegou à "era da ebulição global", alerta ONU

Calor extremo: como é que as altas temperaturas afetam o corpo humano?