EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Por que é que a Europa está a registar temperaturas tão extremas e o que é que se pode fazer?

Turistas abrigam-se do calor com um passeio de guarda-chuva no Pártenon, na antiga Acrópole, no centro de Atenas, durante o mês de junho - o junho mais quente de que há registo
Turistas abrigam-se do calor com um passeio de guarda-chuva no Pártenon, na antiga Acrópole, no centro de Atenas, durante o mês de junho - o junho mais quente de que há registo Direitos de autor Petros Giannakouris/The AP
Direitos de autor Petros Giannakouris/The AP
De  Saskia O'Donoghue
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os especialistas alertam para o facto de os líderes europeus terem de abordar rapidamente as tendências preocupantes do clima em todo o continente.

PUBLICIDADE

O tempo na Europa neste mês de junho tem, efetivamente, duas versões: no norte do continente, as temperaturas têm estado muito abaixo da média, com muito mais chuva do que o normal; enquanto o sul se debate com ondas de calor e incêndios florestais.

Só na Bélgica, junho marcou o nono mês consecutivo com mais chuva do que o normal - um novo recorde para o país, o pior dos últimos 119 anos. Em meados de junho, choveu o equivalente a um mês em apenas uma semana, o que provocou inundações em várias regiões.

Foi também um mês muito menos solarengo do que é habitual em junho, um sentimento partilhado por grande parte do resto do Norte da Europa, onde as temperaturas ainda lutam para ultrapassar a marca dos 20 graus Celsius em muitos locais.

Enquanto os habitantes do Norte ainda estão à espera do início de um verão típico, os países mais a Sul e a Leste já estão a enfrentar problemas.

O último relatório do Observatório do Clima da UE mostra claramente que o mês de junho foi mais quente a nível mundial do que qualquer outro junho anterior.

De facto, foi o 13.º mês consecutivo em que se registaram recordes de calor. As temperaturas da superfície do mar, no Atlântico Norte, também subiram para o seu nível mais elevado em mais de 40 anos.

Em termos globais, o período de julho de 2023 a junho de 2024 foi o mais quente de que há registo, situando-se 0,76 graus Celsius acima da média de 1991-2020 e mais 1,64 graus Celsius acima da média pré-industrial.

No sul, as temperaturas extremas provocaram vagas de calor e incêndios florestais

Espanha, Itália e Grécia continuam a ser alguns dos destinos mais populares para as férias de verão. O motivo? Proporcionam o tipo de viagens que a maioria dos europeus deseja: férias ao sol e na praia.

De acordo com a European Travel Commission (ETC), o calor extremo poderá estar a afastar os turistas? Parece que sim.

A ETC informou que o número de turistas que se dirigem ao sul da Europa diminuiu 10%, desde 2022, uma vez que os receios em relação ao clima começam a afetar o cidadão comum.

Segundo a organização, as condições meteorológicas extremas e as perturbações nos transportes são "preocupações significativas para 10% dos europeus que pretendem viajar nos próximos meses."

"76% dos inquiridos afirmam ter ajustado os seus hábitos de viagem em função das alterações climáticas. 17% afirmam que vão evitar destinos com temperaturas extremas, um número que sobe para 32% no caso de pessoas com mais de 55 anos, o que indica que os viajantes mais velhos são os mais preocupados em lidar com o aumento das temperaturas", acrescenta o ETC.

Este ano, as vagas de calor já atingiram partes da Europa mais cedo do que nunca.

Regiões da Grécia, Chipre, Turquia e Itália já estão a sofrer com o calor extremo, com alguns locais a registar temperaturas 10ºC acima da média sazonal.

Estas temperaturas extremas provocaram várias mortes, incluindo a de seis turistas estrangeiros este ano na Grécia, depois de terem ido fazer uma caminhada. Muitos outros desapareceram em circunstâncias semelhantes.

PUBLICIDADE

As temperaturas escaldantes e os ventos fortes provocaram incêndios florestais perto de Atenas, a capital da Grécia, e, no distrito turco de Esmirna, residentes e turistas foram obrigados a evacuar as suas residências.

Em França, a poucas semanas do início dos Jogos Olímpicos de Paris, os organizadores estão preocupados com a segurança dos atletas, devido às temperaturas que poderão atingir níveis recorde. Autorizaram os países a encomendar unidades portáteis de ar condicionado para garantir a climatização dos ambientes.

Em Espanha, as autoridades lançaram um novo mapa para ajudar a prever com maior precisão as ondas de calor e evitar doenças e mesmo a morte.

Algumas zonas do norte da Europa foram afetadas por tempestades e inundações fatais

As condições meteorológicas extremas na Europa custaram a vida a, pelo menos, sete pessoas em tempestades na Suíça, em França e no Norte de Itália.

PUBLICIDADE
Escombros de um deslizamento de terras provocado pelo mau tempo após as tempestades que causaram grandes inundações e deslizamentos de terras em Saas-Grund, na Suíça
Escombros de um deslizamento de terras provocado pelo mau tempo após as tempestades que causaram grandes inundações e deslizamentos de terras em Saas-Grund, na SuíçaJean-Christophe Bott/Keystone via AP

No início deste mês, os corpos de três pessoas foram recuperados na sequência de um deslizamento de terras na zona de Fontana, no vale de Maggia, no lado sul dos Alpes suíços.

Um homem cujo corpo foi encontrado num hotel na estância alpina de Saas-Grund, na Suíça, terá sido apanhado de surpresa pelas águas das cheias.

As vítimas mortais foram atingidas por fortes chuvas tanto no sul como no oeste da Suíça.

Também no norte de Itália, as inundações, as trovoadas e os deslizamentos de terras têm causado estragos.

PUBLICIDADE

Os bombeiros italianos da região do Piemonte, no norte do país, afirmam que já efetuaram cerca de 80 operações de salvamento este verão, evacuando dezenas de pessoas.

Só na região do Vale de Aosta, várias aldeias ficaram isoladas devido ao transbordar dos cursos de água.

Na região de Aube, no nordeste de França, três pessoas, entre os 70 e 80 anos, morreram quando uma árvore esmagou o carro em que viajavam durante ventos fortes.

O que explica as condições meteorológicas extremas registadas na Europa este verão?

De acordo com a investigação da Inverto, de 2021 a 2023, o número de fenómenos meteorológicos extremos na Europa aumentou anualmente de 11 442 para 16 956 eventos registados.

PUBLICIDADE

Este número inclui incidências de grandes tempestades de granizo, chuvas fortes ou queda de neve, relâmpagos prejudiciais, secas causadas por tempo quente e tornados.

Estes fenómenos também são destrutivos para a economia e os meios de subsistência. Só uma tempestade de granizo em 2023, perto da cidade de Valência, no sudeste de Espanha, causou prejuízos estimados em 40 milhões de euros.

Mas o que é que influencia o clima da Europa - e os seus enormes extremos?

Os fenómenos climáticos El Niño e La Niña são parcialmente responsáveis.

PUBLICIDADE

Embora o El Niño - conhecido como um "fenómeno quente" - seja definido como temperaturas à superfície do mar acima da média ,e um aumento da precipitação no Oceano Pacífico tropical central e oriental, tem efeitos globais que se repercutem na Europa.

Residentes e turistas enchem as suas garrafas de água numa fonte pública em Belgrado, Sérvia, sexta-feira, 21 de junho de 2024.
Residentes e turistas enchem as suas garrafas de água numa fonte pública em Belgrado, Sérvia, sexta-feira, 21 de junho de 2024.Darko Bandic/The AP

Atualmente, o globo encontra-se numa fase de transição entre o El Niño e o La Niña - conhecido como "evento frio". No meio desta fase neutra, continuamos a ver o El Niño a trazer temperaturas astronomicamente elevadas para os oceanos e para o ar.

Verificou-se que ambos os fenómenos têm o chamado "efeito dominó", o que significa que o clima num local pode alterar o clima noutro local. Por exemplo, a redução da precipitação num local do mundo pode aumentá-la noutro.

A Europa é também o continente que regista o aquecimento mais rápido. De acordo com dados recentes da Organização Meteorológica Mundial (OMM), e do Copernicus, a Europa tem vindo a registar um aquecimento duas vezes superior à média global desde 1991.**

PUBLICIDADE

Ambas as agências alertaram para o facto de a Europa precisar de fazer muito mais para reduzir as suas emissões e continuar a sua transição para o abandono dos combustíveis fósseis.

23 das 30 vagas de calor mais graves registadas no continente ocorreram desde 2000 e cinco dessas vagas ocorreram nos últimos três anos.

Os especialistas afirmam agora que é altura de agir para evitar ainda mais catástrofes climáticas em toda a Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mau tempo na Europa: chuva forte e granizo fazem estragos na Polónia

Várias mortes, danos e pessoas desaparecidas na Suíça e em Itália devido ao mau tempo

Marcas de fast fashion chinesas com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais