EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE apresenta pacote de medidas para a energia eólica. Que países estão a liderar o processo e quais precisam de ajuda?

Turbinas eólicas em Flakfortet, perto de Copenhaga, Dinamarca.
Turbinas eólicas em Flakfortet, perto de Copenhaga, Dinamarca. Direitos de autor Jens Dresling/Polfoto File via AP
Direitos de autor Jens Dresling/Polfoto File via AP
De  Kira Taylor, Euronews Green
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu mais apoio à indústria eólica durante o seu discurso sobre o Estado da União.

PUBLICIDADE

A indústria eólica europeia é uma "história de sucesso" notável, segundo a presidente da Comissão Europeia.

Ao proferir o seu último discurso sobre o Estado da União, em Estrasburgo, Ursula von der Leyen saudou os progressos realizados na frente renovável.

Desde os anos 80, a energia eólica tem vindo a assumir uma importância crescente na produção de eletricidade na Europa. Desde a construção dos primeiros parques eólicos, no final do século XX, a energia eólica forneceu 17% do consumo total de eletricidade da Europa em 2022.

"Mas [a indústria] enfrenta atualmente uma combinação única de desafios", acrescentou von der Leyen.

"É por isso que vamos apresentar um pacote europeu para a energia eólica, trabalhando em estreita colaboração com a indústria e os Estados-Membros."

O novo pacote vem acompanhado de promessas fundamentais para desbloquear a energia eólica do bloco. A presidente da Comissão prometeu acelerar ainda mais o processo de licenciamento, melhorar os sistemas de leilão em toda a UE e concentrar-se nas competências, no acesso ao financiamento e em cadeias de abastecimento estáveis.

"A energia eólica é talvez a tecnologia mais importante para a descarbonização da Europa, sendo, em muitos países, a mais barata e potencialmente a maior fonte doméstica de eletricidade que pode substituir os voláteis combustíveis fósseis importados", disse Paweł Czyżak, analista sénior de dados sobre energia e clima do grupo de reflexão Ember, à Euronews Green.

No início deste ano, analisámos quais os países europeus que estão a liderar a revolução da energia eólica e o que podemos aprender com eles.

Que países europeus estão a liderar a mudança para a energia eólica?

A Dinamarca, a Alemanha e o Reino Unido lideraram historicamente a transição para a energia eólica e continuam a ser potências no setor.

De acordo com os dados do grupo do setor WindEurope, a Dinamarca ocupou o primeiro lugar no ano passado, com a maior contribuição da energia eólica para o consumo de energia (55%). A Irlanda ficou em segundo lugar (34%), o Reino Unido em terceiro (28%) e a Alemanha em quarto (26%).

No que diz respeito às próximas instalações, a Alemanha continua a liderar, embora outros países estejam a recuperar o atraso. A Suécia e a Finlândia estão a ultrapassar a Alemanha na energia eólica terrestre e o Reino Unido é, de longe, o mercado mais forte para a energia eólica marítima.

Uma das razões para o bom desempenho destes países é o facto de terem leis estáveis e objetivos claros para a energia eólica.

"A principal lição que eu tiraria de países como a Dinamarca, a Alemanha e o Reino Unido é que é preciso ter uma estratégia clara e estável e objetivos ambiciosos. Depois, é preciso alinhar todas as outras políticas, o ordenamento do território, o licenciamento, o planeamento da rede, etc., com esse objetivo", afirmou Czyżak.

Czyżak aponta para outros países, como a Letónia, que têm um elevado potencial para a energia eólica, mas não têm objetivos para a tornar realidade.

A Itália também tem dificuldades, uma vez que o seu processo de licenciamento confere às autoridades poderes de veto. Segundo Christoph Zipf, porta-voz da WindEurope, esta situação conduz frequentemente ao cancelamento de projetos e a um ambiente de incerteza para os promotores.

Para além da política, uma forte presença industrial pode ajudar a impulsionar o desenvolvimento da energia eólica, diz Po Wen Cheng, diretor de energia eólica da Universidade de Estugarda.

"Países como a Alemanha, a Dinamarca e a Espanha têm uma forte indústria transformadora, com muitas empresas especializadas na produção de turbinas eólicas e outras tecnologias relacionadas. Os Países Baixos e a Bélgica, por outro lado, têm uma forte indústria de operações marítimas e offshore, o que levou ao desenvolvimento de novas tecnologias para a energia eólica offshore", explica.

AP Photo/Martin Meissner, File
Turbinas eólicas num parque eólico, em Marsberg, Alemanha.AP Photo/Martin Meissner, File

Mais dinheiro, mais energia eólica

A inovação na tecnologia eólica flutuante - turbinas que não estão fixas ao fundo do mar - também abriu novas e mais profundas águas, abrindo a porta a mais energia eólica em países como Portugal, Espanha e Grécia.

PUBLICIDADE

Entretanto, países como a Bulgária, a Roménia, a República Checa e a Letónia precisam de ser colocados "no mapa do desenvolvimento" e de obter mais reconhecimento, de acordo com Czyżak.

"Pelo que a indústria diz nesses países, é muito difícil chamar a atenção, atrair investidores e obter financiamento. Com tantos estrangulamentos no licenciamento em alguns dos maiores atores, como a Alemanha, seria definitivamente bom utilizar o potencial onde ainda não está a ser utilizado e onde não há tanto congestionamento da rede", acrescenta.

É vital que todos os países da UE participem se a União Europeia quiser cumprir o seu objetivo de energia renovável para 2030.

"O bloco precisa de acrescentar pelo menos 50% mais capacidade anual do que o previsto - 31 GW em vez de 19-20 GW. Isto só é possível se os países que ainda não utilizaram todo o seu potencial, como a Estónia, a Letónia, a Lituânia, a Roménia e a Bulgária, acelerarem o seu empenho e instalarem grandes quantidades de energia eólica offshore", diz Czyżak.

AP Photo/Heribert Proepper
Parque eólico offshore instalado no Mar do Norte, 14 quilómetros a oeste da pequena aldeia de Blavand, perto de Esbjerg, na Dinamarca.AP Photo/Heribert Proepper

A UE vai falhar os objectivos para 2030

De acordo com a WindEurope, a UE vai falhar o seu objetivo para 2030. Para que a UE o atinja, os países precisam de instalar mais de 30 GW por ano até 2030. Em 2022, entraram em linha 16 GW e prevê-se que os países continuem a ficar aquém do objetivo.

PUBLICIDADE

Para desbloquear verdadeiramente o potencial da energia eólica, os países da UE, mesmo os que estão a ter bons resultados, precisam de resolver os longos processos de licenciamento. Isto só se tornará mais importante à medida que as turbinas chegarem ao fim da sua vida útil e tiverem de ser trocadas por novas - o chamado repowering.

Os países europeus também precisam de investir nas suas redes elétricas para evitar que as energias renováveis sejam rejeitadas devido à falta de capacidade.

Ainda na Páscoa passada, a empresa de energia checa teve de desligar centenas de painéis solares depois de terem produzido mais energia do que a rede podia suportar.

"O investimento na rede tem-se atrasado frequentemente em relação à produção de energias renováveis. Isto criou uma acumulação de projetos à espera de ligação à rede, o que resultou em atrasos e perda de receitas para os operadores de energias renováveis", afirma Cheng.

Estes dois factores, mais a falta de aceitação pública, significam que muitos países se concentraram no offshore, mas a energia em terra também será necessária se a Europa quiser reduzir a sua dependência dos combustíveis fósseis.

PUBLICIDADE

A Europa percorreu um longo caminho desde a década de 1980, transformando a sua indústria eólica num contribuinte significativo para a sua rede elétrica, mas tem um longo caminho a percorrer para atingir os seus objetivos para 2030. Um caminho longo para um tempo cada vez mais curto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040